http-equiv=’refresh’ content=’0; Boulevard of Ideas: Dezembro 2013

sábado, 21 de dezembro de 2013

Coisas que me irritam - parte II



Ai ai... Mais um ano está chegando ao fim e de novo o dinheiro não veio e as gordurinhas se acumularam. As pessoas que tentaram te ferrar o ano inteiro, te abraçam e te desejam coisas boas nas confraternizações naquele restaurante lotado onde também acontecem os amigos-ocultos, que você dá o que a pessoa pediu e ganha uma porcaria abaixo do valor de uma loja que você nem sabe onde fica p/ poder trocar..

Gostaria de te dizer que 2014 será diferente, mas a única coisa que consigo prever é que se já tá chato o povo falando "Imagina na Copa", IMAGINA NO ANO QUE VEM! E ainda  posso te adiantar mais algumas coisas:

-A patrulha de pseudointelectuais anti-BBB vai começar a falar o quanto assistir ao Big Bródis é coisa de burro, que Mulheres Ricas é coisa de gente fútil, e mimimi.

-Mais personalidades irão morrer e as redes sociais vão pipocar de fãs incondicionais que nem lembravam do falecido até o dia anterior;

-Alguma dupla de sertanojo e alguma cantora de funk vão emplacar mais sucessos, com cada vez menos palavras, que não vão sair da sua cabeça e vão tocar direto na Americana, Casa & Vídeo e em aonde você for;

-Algum candidato vai soltar alguma pérola num debate que virará um novo bordão;

-Você não vai começar aquela dieta;

Estas não são só "previsões",como também coisas que me irritam profundamente. Como são muitas, desde a primeira vez que falei sobre isso (leia aqui), lembrei de outras que aqui compartilho com vocês:


-pessoas que ao passar, levam sua bolsa e sacolas junto com elas. Ou aquelas que vão andando e o braço vai fazendo um vai e vem que acerta todo mundo, principalmente o seu relógio;

-pessoas que vem querer pagar de intelectuais e NÃO SABEM escrever direito. Antes de vir citar Marx, leia o Aurélio, por favor;

-as citadas acima normalmente são as mesmas que falam da mídia manipuladora (#FORAGLOBO #VEJAÉUMLIXO #ISSOAMÍDIANÃOMOSTRA) e sustentam seus argumentos repetindo velhos discursos de autores que só devem ter lido um texto, uma vez, para uma prova na faculdade...;

-gente que compartilha "frases do Charlie Sheen" (homens retardados) / imagens de paisagens e/ou pessoas com frases de impactos (normalmente mulheres, com mais de 40 anos) O DIA INTEIRO;

-gente que envia solicitações de jogos no Facebook, sendo que dá p/ pular a opção de "enviar solicitação para todos os seus amigos" e no entanto, a pessoa INSISTE. VAI TRABALHAR, FDP!

-pessoas que riem com KKKK (retardadas e/ou velhas e/ou ambas) e rs que é o riso amarelo on-line. Ri igual gente, po**a!

-confraternização alheia em restaurante;

-locução de futebol no rádio;

-mensagem visualizada (e ignorada com sucesso). Custa responder na hora, seu puto?

-gente que senta na cadeira atrás da minha em restaurante e é espaçosa!

-o comercial da Sky com o Jota Quest e a Cláudia Leitte;

-Carlinhos Brown no The Voice Br;

-gente que tira foto sem você ver e depois fica mostrando p/ todo mundo e rindo da sua cara. MORRA!

-flamenguistas, ativistas, feministas, machistas e "istas", em geral;

-mocinhas de novela;

-pessoa que fica na sua frente na fila e fica parada quando a fila anda / pessoas que decidem que justamente você tem que dar passagem p/s outros quando está numa fila quilométrica;

-pessoas que fumam e cumprimentam abraçando (quase sufoco na chaminé);

-ônibus e carros que passam na poça só p/ sacanear quem tá na calçada;

-guarda-chuva aberto debaixo de marquise;

-Nicholas Cage, Meg Ryan e Nicole Kidman e suas respectivas caras de c* em todo filme;

-cachorro da vizinha que late o dia inteiro;

-pessoas que preferem animais aos seres humanos;

-quem fica mexendo no celular quando à mesa com os amigos;

-assessores de imprensa que não leem o que enviam e depois lotam nossas caixas com os malditos "VALE ESTE"; (beijo p/s amigos jornalistas, tamo junto!)

-musicais onde TODOS os diálogos são cantados, TODOS (tipo Os Miseráveis);


Como vocês puderam perceber, eu sou uma pessoa extremamente chata irritadiça. Mas me digam vocês, tô nessa sozinha? São irritações muito específicas?

Até o ano que vem!

E maneirem nos panetones ;*


domingo, 1 de dezembro de 2013

Desculpe-me, mas sou fã de....



Há um tempo atrás, falei dos Guilty Pleasures, ao relembrar coisas que aprendemos a gostar na infância, mas que ainda curtimos e temos vergonha de admitir, mas hoje gostaria de falar do "olho torto" que os so called intelectuais te lançam quando você fala que gosta de algo que é muito popular, ou que acham um lixo, ou ambos.

Entendam que uma coisa é sacanear um amigo ou colega por ela ler "50 tons de cinza" ou achar que Anitta é uma grande cantora. Outra coisa é você usar isso como argumento para subestimá-la. Todos nós, no fundo, fazemos isso; temos esses "pré-conceitos" (ô terminho pedante, mas encaixou aqui).

Com um medo receio do que estes bostinhas vão pensar de nós, a gente acaba sentindo vergonha e até se achando inferior por comentar a novela / ter curtido uma música brega / ter lido um livro best-seller / achar graça de tal humorista / assistir a tal programa, e por aí vai. É como se tivéssemos que nos desculpar por gostar de algo!

Assistir a um reality show não torna uma pessoa burra. Assim como ler Guimarães Rosa não torna ninguém intelectual. Também tenho verdadeiro horror de quem fala que a mídia emburrece e manipula, justamente porque estes "intelectuais" pressupõem que a maioria é estúpida e incapaz de ter um senso crítico ao receber uma informação. Esse pensamento é tão retrógrado quanto a teoria hipodérmica. Segundo essa teoria da comunicação, muito resumidamente, a ideia é que o receptor responde aos estímulos (uma mensagem da mídia) passivamente, ou seja, quando há um estímulo, esta adentraria o indivíduo sem encontrar resistências, como uma agulha penetra a pele (também é conhecida como "Teoria da Bala Mágica", já que a bala também não encontraria uma resistência ao atingir um corpo).

Quem realmente pensa desta maneira, ao invés de falar tanta besteira infundada nas redes sociais, poderia ler um livro já que é tão culto, né? Isso que estou falando é tão óbvio, há tantas outras opções, que eu não entendo essa escolha em ser uma "patrulha do conhecimento", do tipo "ó, BBB não vai te acrescentar em nada!". JURA? Achei que fosse ficar mais culta! POXA!

E o mais interessante é que tem pessoas que são fanáticas por futebol e reproduzem o mesmo discursinho. Responda-me, por favor, o que você aprende ao ver caras correndo atrás de uma bola mirando um gol? Provavelmente, o mesmo que aprenderia com os discursos do Bial no paredão...

O único cuidado que devemos ter é o de não termos apenas esses interesses para não nos tornarmos pessoas limitadas. É essencial ter uma boa noção de tudo, por mais que achemos alguns assuntos chatos....

No mais, assista / leia / ouça o que você gosta sem culpas e f***-se o resto!

Agora, me deem licença que vou ouvir Raça Negra enquanto leio "A Cabana". (Fui irônica em apenas uma das opções)