http-equiv=’refresh’ content=’0; Boulevard of Ideas: Dia Nacional do Livro

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Dia Nacional do Livro

Olá,

como hoje é o dia nacional do livro, vou aproveitar o tema para atualizar essa budega falando mais uma vez deste tema que eu adoro =D

Já falei aqui:

- de autores que eu adoro como as irmãs Brönte, Shakespeare e Allan Poe;

- de livros que você deveria ler, indo de Gatsby a The Walking Dead;

- do sucesso da trilogia de Jogos Vorazes;

- da minha paixão por Pocket book;

- de Um Dia do David Nichols;

- dos piores livros que já li;

- do que um beatlemaníaco gosta de ler;

- de literatura em quadrinhos;

- de autores como Kate Morton, Heather Gudenkauf, Amy Mackinnon, David Comfort, Brunonia Barry e James Dashner;

- sobre a Trilogia Millenium;

- sobre A Hospedeira, o outro livro da Stephenie Meyer, autora de Crepúsculo.

Mas ainda não falei (aliás, já até falei nos primórdios desse blog e provavelmente ninguém leu ou lembra) de livros que marcaram minha infância, e que foram de suma importância, pois foram graças a eles que a literatura se tornou a minha grande paixão.

Menina Nina - Duas razões para não chorar

Mesmo dando duas razões para não chorar, não tem uma vez que eu não chore ao ler esse livro. Ziraldo o escreveu para sua neta, quando sua mulher morreu, então este é de longe a obra mais emotiva do autor de O menino maluquinho.

"Portanto, não chore mais e vá dormir, minha querida. Dos dois jeitos desse adeus é que a gente inventa a vida".

Para se ler incontáveis vezes ao longo da vida, lindo livro!

A marca de uma lágrima

Pedro Bandeira é fantástico. Sério. Nunca li um livro dele que fosse ruim. Neste, Isabel testemunha a morte da diretora da sua escola e se sente ameaçada. Foi um dos primeiros livros que me instigou, pois não consegui parar de ler enquanto não descobri o assassino e além desse 'suspense', Isabel nos cativa por ser apaixonada por Cristiano, namorado de sua melhor amiga, e escrever poesias para ajudar no namoro dos dois. Uma gracinha!

Rumpelstiltskin

Nada de Branca de Neve e Cinderela, meu conto preferido dos irmãos Grimm é Rumpelstiltskin, que pelo nome quase impronunciável, foi a história que mais me chamou a atenção. Se você não conhece, eis a sinopse do skoob:

Para impressionar o Rei , com o objetivo de fazer o príncipe casar com a sua filha, um moleiro bastante pobre mente e diz que ela é capaz de fiar palha e transforma-la em ouro. O Rei chama a moça, fecha-a numa torre com palha e uma roda de fiar, e exige-lhe que ela transforme a palha em ouro até de manhã, durante três noites, ou será executada. Algumas versões dizem que, se ela falhasse, seria empalada e depois cortada em pedaços como um porco, enquanto outras não são tão gráficas e dizem que a moça ficaria fechada na torre para sempre. Ela já tinha perdido toda a esperança, quando aparece um duende no quarto e transforma toda a palha em ouro em troca do seu colar; na noite seguinte, pede-lhe o seu anel. Na terceira noite, quando ela não tinha nada para lhe dar, o duende cumpre a sua função em troca do primeiro filho que a moça desse à luz...

O protagonista da história é o vilão, então a história foge um pouco da chatice repetitiva que são os 'contos de fada'. Vale muito a pena ler ;D

Bom, agora digam vocês, quais livros marcaram sua infância?



3 comentários:

  1. Realmente a literatura infantil é o que faz com que nos tornemos ou não pessoas que gostam de ler! Adorava Pedro Bandeira tb, e Ziraldo é claro né!!
    bjss

    ResponderExcluir
  2. Ziraldo é o melhor, meus filhos vão ler os livros dele com certeza.

    Lembro que no Aplicação passaram aqueles livros dos KARAS também, que marcou bastante minha infância. Acho que vc lembra também (Droga da Obediência, se não me engano)

    Beijos, feliz dia do livro (atrasado)!

    ResponderExcluir
  3. Lembro sim, Vini!

    Gostei tanto da Droga da Obediência, que acabei lendo a coleção toda dos Karas. Pedro Bandeira é um dos melhores da literatura infanto-juvenil =]

    ResponderExcluir