http-equiv=’refresh’ content=’0; Boulevard of Ideas: Setembro 2012

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

A Flor que desabrochou na terra seca

Olá,

(antes de mais nada, a Revoltadinha voltou a destilar o seu veneno...)

depois de quase 2 meses sem escrever algo mais literário(?), minha prisão de ventre mental passou resolvi sentar p/ escrever algo que não fosse monografia e saiu o texto a seguir...

Depreciações minhas à parte, porque parece que é pedir elogio, deixo os comentários p/ vocês...



A Flor que desabrochou na terra seca

Foi onde o Sol nascia todos os dias e parecia esquecer de se pôr; além dos quilômetros da última estrada de terra, numa região tão seca quanto os olhos dos habitantes que choravam sem lágrimas, de sede, que nasceu Maria Flor.

Desde que deu seus primeiros gritos desesperados ao avistar a primeira luz ofuscante de sua vida, a menina já estava destinada a uma vida braçal junto de seu primo Agenor, que segundo as vontades da família, seria seu futuro marido. Pois embora a terra não desse frutos, os úteros das mulheres do povoado se mostravam tão férteis quanto as planícies do Nilo e era importante que continuasse assim.

Quando o destino é traçado no momento em que a mãe se descobre grávida, é difícil ter sonhos ou ambições, principalmente quando não se conhece uma outra realidade. Assim era a vida lá: crescia-se, casava-se, procriava-se, ensinava a cria a sobreviver e morria-se. Com sorte, a sensação de vazio permanente no interior sem ser a fome, era preenchida com o tempo.

Quando Maria Flor completou seu décimo terceiro aniversário, a família decidiu de que já estava mais do que na hora de se casar com Agenor e assim foi feito. Uma vez desconhecido o conceito de amor, podia-se dizer que tinham um bom casamento.

Maria Flor era lavadeira. Agenor trabalhava na pedreira e foi lá que conheceu Adamastor, seu melhor amigo. Adamastor era um rapaz de dezoito anos e para estranhamento de todos da região, ainda não havia se casado. Ninguém sabia o porquê.

Adamastor ia frequentemente à casa do casal. Sempre muito educado, levava uma flor para a anfitriã, elogiava sua comida e oferecia ajuda para retirar a mesa. Que rapaz estranho!, pensava Maria Flor. Não estava acostumada com gentileza e a ideia de que um homem, melhor amigo de seu marido e ainda por cima tão bem apessoado, pudesse ser tão atencioso a atordoava. Ainda mais atordoante era saber que gostava disso.

As visitas de Adamastor eram cada vez mais frequentes e as flores cada vez mais bonitas. Num dia, suas mãos acidentalmente se tocaram. Propositalmente ali permaneceram. Era bom sentir em sua pele um calor diferente do que o sol lhe proporcionava diariamente. Era bom. Era muito bom.

Não se sabe ao certo quando, mas de repente, não mais do que de repente, tudo estava diferente. A presença de Agenor tornara-se incômoda e sua pele mais áspera do que o normal.

O sono já não vinha mais fácil e dividir um teto com outra pessoa tornara-se mais pesado e mais doído que as bacias que carregava na cabeça.


Foi num curto espaço de tempo. Foi quando olhou p/ trás e viu o quê ficou pelo caminho. Após muitas lágrimas terem sido derramadas. Após muitas noites desperta ponderando.

Foi dessa dor e dessa incerteza que nasceu esse amor.

*******

Outros contos/histórias/divagações:

Criação

Permanência

Despertada

Mudança de Estação

Sala de aula

Era uma vez

domingo, 16 de setembro de 2012

Pandas

Olá,

Mais uma vez estava eu a matutar sobre o quê postar aqui. Olhei para o meu fundo de tela e depois para o que eu mais compartilho no fundo e me dei conta de que nunca fiz um post sobre pandas! Logo os animais mais lindos, amáveis e fofos e owwwwn, mas que infelizmente correm risco de extinção =(

Um dos principais motivos é a devastação das florestas asiáticas que estão os deixando sem território para viver. Por isso que eu acho que deveriam deixar os pandas serem animais de estimação que eu compro uma casa e adoto um monte *---------* Além disso, a caça acabou com populações inteiras e o bambu, cujo broto é a fonte de alimento deles, demora muito tempo para 'se reproduzir' e está presente em poucas vegetações, sendo assim, muitos morrem de fome.

Além disso tudo, segundo o Planeta Sustentável, a gestação da panda pode durar de onze semanas a quase um ano e permanecer indetectável até o nascimento do filhote. Os bebês nascem em dupla e muito frágeis, com 90 a 130 gramas cada um. Um adulto pesa entre 100 e 150 quilos. A mãe carece de leite e energia para cuidar de dois filhotes ao mesmo tempo e tende a dar atenção a apenas um deles. O Chengdu de Pesquisas de Criação de Pandas cuida de incubar o bebê rejeitado e de trocá-lo, de tempos em tempos, com o irmão adotado pela mãe. Dessa forma, ambos são criados da mesma maneira. Para fazer a troca, os pesquisadores se vestem com fantasias de pelúcia que simulam um urso panda. Viram como essa fantasia não serve apenas para sequestrá-lo?



Curiosidade: Em chinês, os pandas são chamados de "Da xiong mao", que, traduzindo, significa "urso-gato"

Não é curiosidade, mas se você ainda não viu, veja o melhor vídeo do youtube *-*


Este pequeno texto foi só p/ post ter algum valor informativo, porque o objetivo mesmo é fazer com que vocês vomitem arco-íris com as fotos (algumas são do 9gag, mas a grande maioria eu não lembro) abaixo:







Por hoje é só ;*




terça-feira, 4 de setembro de 2012

O mito da "friendzone"

É grande o número de posts sobre ‘friendzone’, principalmente no 9gag (site do qual sou assídua frequentadora), e acho que os anos que passei assistindo a Marcia Goldsmith, Eliana e Gugu me dão algum gabarito para falar de relacionamentos. Então vamos esclarecer alguns pontos:


Que mulher nunca usou o famoso “só gosto de você como amigo” que atire o primeiro salto! Na grande maioria das vezes, esse é apenas o modo mais gentil que encontramos para dizer “não me sinto atraída por você”.

Porém, há vezes em que realmente gostamos do cara só como amigo. E qual o problema? É melhor ser amigo da garota que você está afim do que ela nem saber da sua existência, não?



Não existe relacionamento sem amizade e, portanto, cara alma desolada, se você já é amigo dela, pode-se considerar meio caminho andado. Pode ser que um dia você consiga ou não o que tanto deseja.



Já li muito por aqui “a garota que eu gosto só sai com idiotas. Ela só escolhe os caras errados”. Recalque, não? Idiotas ou não, o que é muito relativo, ela está sempre saindo com alguém e você está aí, sempre chupando dedo, né? Talvez quem esteja escolhendo errado seja você.

E desculpe te informar, mas ela não é uma piranha, nem uma vadia e nem a pior pessoa do mundo porque não te quer. Assim como você também tem todo o direito de não querer ficar com uma menina, sem ser gay. Direitos iguais! Ser legal com alguém não te dá o direito de cobrar nada. Tem pessoas que são legais e ponto. Elas não estão te iludindo nem nada parecido. Se você se sente usado, porque a pessoa não correspondeu as expectativas que você criou, A CULPA É SUA!

Ainda há a possibilidade da garota não ter a mínima ideia que você é afim dela e por isso as coisas não saem da inércia. Se este é o caso, fale com ela. Na pior das hipóteses, o que ela vai falar é o que você já esperava, aí você finalmente vai poder parar de mimimi e partir para outra.

Em suma, Friendzone é um termo criado por caras que foram incapazes de ficar com as meninas que queriam.

Mas fique de olho e FUJA, caso:

- você tenha deixado claro que está afim e ela finge que não sabe só para te manter por perto, porque isso faz bem p/ ego dela.

-ela te chame p/ sair e peça p/ você chamar uns amigos. Ela só está te usando p/ se aproximar do cara que ela está afim.

-você a conheça tempo suficiente para perceber que não se encaixa no padrão (todo mundo tem um) dela. Por mais legal, divertido, fofo que você seja, não é o tipo dela. Conforme-se.


- ela seja ‘legal’ demais para dizer não, e vá te enrolar até que você se toque sozinho.

- ela fale de outros caras com você.



E vocês, acrescentariam o quê à lista?