http-equiv=’refresh’ content=’0; Boulevard of Ideas: Livros que você deveria ler

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Livros que você deveria ler

Olá,

Já faz um tempinho desde a última vez que falei do que eu andava lendo, né? Bom, então hoje, mais uma vez faço um post literário.

(obs: as sinopses foram retiradas do Skoob)

O hipnotista - Lars Kepler

Sinopse: O massacre de uma família nos arredores de Estocolmo abala a polícia sueca. Os homicídios chamam a atenção do detetive Joona Linna, que exige investigar os assassinatos. O criminoso ainda está foragido, e há somente uma testemunha: o filho de 15 anos, que sobreviveu ao ataque. Quem cometeu os crimes o queria morto: ele recebeu mais de cem facadas e está em estado de choque. Desesperado por informações, Linna só vê uma saída: hipnose. Ele convence o Dr. Erik Maria Bark – especialista em pacientes psicologicamente traumatizados – a hipnotizar o garoto, na esperança de descobrir o assassino através das memórias da vítima. É o tipo de trabalho que Bark jurara nunca mais fazer: eticamente questionável e psicologicamente danoso. Quando ele quebra a promessa e hipnotiza o garoto, uma longa e aterrorizante sequência de acontecimentos tem início.

-> Depois da Trilogia Millenium, "O Hipnotista" vem reforçar que a literatura sueca tem sim autores fantásticos com os melhores thrillers da atualidade, eu ousaria dizer.

São 477 páginas hipnotizantes que prendem a atenção do início ao fim, te deixando tenso e apreensivo em boas partes dele. Você simplesmente não consegue parar de ler enquanto não descobrir o que vai acontecer. Tem fugas, muito sangue, muita gente louca e o que eu achei mais legal é que você começa a ler achando que a história é uma, mas é uma outra completamente diferente.

Sem exageros, foi um dos melhores livros que li nos últimos tempos. Tem todos os ingredientes para uma leitura obrigatória: personagens misteriosos, bom enredo e muito suspense.


O Discurso Secreto - Tom Rob Smith

Sinopse: Na União Soviética pós-Stálin, um discurso de seu sucessor Nikita Kruschov marca o período em que as brutalidades do regime stalinista começam a ser amplamente condenadas. Liev Demidov, ex-agente de segurança do Estado, vê-se confrontando pelos erros de seu passado. De suas próprias filhas adotivas, cujos pais biológicos foram mortos por ordem de Liev, à líder de gangue Fraera, cujo marido foi aprisionado em um gulag, personagens afetados por suas atividades profissionais vêm obrigá-lo a prestar contas sobre o seu envolvimento político.

-> Após o sucesso de Criança 44, Tom Rob Smith volta a nos envolver ao contar a história de Liev alguns anos depois do ocorrido no primeiro livro, por isso a leitura fica mais prazerosa ao ser lida na sequência. (Caso você tenha lido este livro primeiro, fique tranquilo que não há nenhum spoiler que estrague a leitura de Criança 44)

Mais do que uma narrativa deliciosa, O Discurso Secreto é ainda mais interessante por mostrar as motivações de cada personagem, fazendo com que suas atitudes por mais absurdas e criminosas que sejam, acabam sendo compreendidas e de certo modo, justificadas.

Na minha opinião, a obra traz grandes 'anti-heróis', fugindo dos mocinhos convencionais, mas mostrando seres humanos imperfeitos, com um passado que se pode dizer condenável, mas que quando inseridos em determinadas situações, mostram o caráter que sempre esperamos encontrar nos protagonistas: coragem, boa índole e motivados pelo amor, seja ele em qualquer forma manifesta.

União Soviética pós-Stálin + discurso que condena as brutalidades do regime stalinista + sede de vingança + fantasmas do passados = O Discurso Secreto. Vale muito a pena conferir! Recomendado³

A Vida Secreta dos Grandes Autores - O Que os Professores Nunca Contaram Sobre os Famosos Romancistas, Poetas e Dramaturgos - Robert Schnakenberg

Sinopse: É comum imaginarmos que a vida dos grandes autores é tranquila e desinteressante, ou, ao contrário, agitadíssima e glamourosa. Todavia, a realidade é que nunca vemos nossos “ídolos” como seres humanos comuns, iguais a nós, mas como verdadeiros gênios. No entanto, o que muitos de nós não sabemos é que a imensa maioria das lendas literárias viveu mais como devassos artistas de Hollywood do que como “ratos de biblioteca” tímidos e reclusos. Muitos eram viciados em drogas, mulherengos e aspirantes a astros de cinema, e é bem provável que os vejamos mais com uma garrafa de uísque vazia nas mãos do que com uma pena.

A vida secreta dos grandes autores mostra os defeitos, as fraquezas e as fragilidades humanas sobre as quais nunca se falou a respeito dos grandes nomes da literatura mundial.
Gênios, sim. Mas humanos, como todos nós.

-> As obras literárias provocam as mais diversas sensações em seus leitores, e descobrir um pouco sobre quem os escreveu faz com que a gente se sinta um pouco mais 'íntimo' desses autores, que muitas vezes parecem nos interpretar melhor do que nós mesmos.

Em "A vida secreta dos grandes autores", descobrimos que o autor de Hamlet já foi preso por caçar veados, que Lord Byron guardava pentelhos de suas amantes em envelopes, que Allan Poe aprendeu matemática somando e subtraindo as datas gravadas em túmulos, que Dickens possuía uma obsessão pelo necrotério de Paris, que William Burroughs matou a esposa 'acidentalmente', dentre vários outros casos que beiram ao absurdo.

Para os curiosos de plantão, eis um prato cheio!

A Ascensão do Governador - The Walking Dead - Livro 1


Sinopse: No universo de The Walking Dead não existe vilão maior do que o Governador, o déspota que comanda a cidade de Woodbury. Eleito pela revista americana Wizard como "Vilão do ano", ele é o personagem mais controvertido em um mundo dominado por mortos-vivos. Neste romance os fãs irão descobrir como ele se tornou esse homem e qual a origem de suas atitudes extremas. Para isso, é preciso conhecer a história de Phillip Blake, sua filha Penny e seu irmão Brian que, com outros dois amigos, irão cruzar cidades desoladas pelo apocalipse zumbi em busca da salvação. Originalmente, The Walking Dead é uma série de quadrinhos publicada desde 2003 e vencedora do Eisner Award. Em 2010, os quadrinhos foram adaptados para o seriado homônimo The Walking Dead já bateu diversos recordes de audiência nos Estados Unidos e foi finalista em várias categorias no 68º Golden Globe Awards, incluindo Melhor Série Dramática de TV.

-> Como fã do seriado, resolvi dar uma chance a "A ascensão do governador" e me decepcionei um pouco.

Não que o livro seja ruim, tem umas partes boas que deixam o leitor aflito, mas acaba que a história vai ficando repetitiva. Nenhum lugar é seguro e se não são zumbis se aproximando, são humanos gananciosos..

O livro mostra os personagens fazendo de tudo para sobreviver, e como isso acaba interferindo em suas relações pessoais e em sua sanidade mental. Num mundo onde não há regras, é cada um por si e não há perspectivas faz com que até os vivos percam sua humanidade, agindo pior do que animais em alguns momentos, para se manterem vivos, já que sendo mordidos ou não, quando morrem, se transformam em zumbis também.

Não acho que vá ler um segundo livro, pois não me despertou interesse... Mas é uma boa pedida p/ quem ainda não se cansou de histórias de zumbis ;D

O Grande Gatsby - F. Scott Fitzgerald

Sinopse: Narra a história de amor de Jay Gatsby e Daisy. Ela, uma bela jovem de Lousville e ele, um oficial da marinha no início de carreira. Apesar da grande paixão, Daisy se casa com o insensível, mas extremamente rico, Tom Buchanan. Com o fim da guerra, Gatsby se dedica cegamente a enriquecer para reconquistar Daisy. Já milionário, ele compra uma mansão vizinha à de sua amada em Long Island, promove grandes festas e aguarda, certo de que ela vai aparecer. A história é contada por um espectador que não participa propriamente do que acontece - Nick Carraway. Nick aluga uma casinha modesta ao lado da mansão do Gatsby, observa e expõe os fatos sem compreender bem aquele mundo de extravagância, riqueza e tragédia iminente.


-> Mais do que uma história de traição, amor e até solidão, acho que a grande mensagem (?) do livro é a de não perder a esperança. A esperança é a força motriz que motiva as pessoas a se superarem e a irem muito além do que imaginaram (isso foi muito brega, mas a ideia é essa hahahaha). No caso, a esperança de ter um grande amor de volta...

A narrativa em si não tem nada de excepcional, mas acho que os parágrafos finais valem pelo livro, pois sintetizam toda a história de modo delicado e bonito.

"O futuro já nos iludiu tantas vezes, mas não importa... Amanhã correremos mais depressa e esticaremos nossos braços um pouco mais além até que, em uma bela manhã...
E assim nós prosseguimos, barcos contra a corrente, empurrados incessantemente de volta ao passado".

Bom, por enquanto essas são as minhas recomendações, daqui a algum tempo faço mais ;D

Mas diz aí, o que vocês me recomendam?


4 comentários:

  1. Faltou "Revolução dos Bichos" e "1984" - George Orwell, "O Direito a Preguiça".
    George Orwell é pseudônimo de um cara que era militante na revolução espanhola, os livros dele não são socialistas. Ele na verdade é um escritor sobre liberdades e opressões. De certo modo, um utópico romantista em que "1984" -escrito em 48, retratando o final da guerra- pode se dizer seja sua obra prima, inspirou inclusive o programa "Big Brother". Já a Revolução dos Bichos inspirou um disco famoso do Chico Buarque "Os Saltimbancos", um verdadeiro conto infantil.
    Já "O Direito a Preguiça" é de Paul Lafargue -genro de K. Marx- nunca soube dele ser socialista, embora tenha feito ótimas sínteses de "O Capital" acessível ao povo. É o terceiro texto mais lido na Europa, se não me engano, atrás apenas da Bíblia, em primeiro e do Manifesto do Partido Comunista, segundo mais lido. Ele vai retomar aspectos do porque os homens e mulheres não precisam trabalhar como loucos. Ele q é um dos percursores da ideia de que se tod@s trabalhassem seriam necessários poucas horas diárias para todos - atualmente cerca de 4h diárias - logo, teríamos mais tempo para desenvolver atividades referentes ao desenvolvimento da capacidade humana e poder trabalhar mais através do ócio produtivo.
    Enfim, nem Marx escreve o Capital visando o comunismo, e sim acumular conteúdo para uma possível transformação social. Sendo sua obra prima inacabada - O Capital - o livro que conseguiu, através de um método de análise desenvolvido pelo próprio autor, sistematizar o capitalismo do séc XVIII e ter seu acúmulo metodológico possível de aplicar até hoje (veja bem método, não concepções do séc XVIII). E muitos sociólogos dizem q Marx erra, isso pq uma vez ele publicou que o fim do próprio método que havia desenvolvido era o comunismo, fim da luta de classes.
    :D

    ResponderExcluir
  2. Livros de assassinatos estilo Agatha Christie sempre dão aquele arrepio na hora de ler (para quem lê e consegue entrar na estória, claro).

    ResponderExcluir
  3. Também adorei "O Hipnotista", é um livro fantástico! Os outros parecem ser bem interessantes tb ;)
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Grande Gatsby é o meu clássico preferido, é muito mais pra mim. Mas acho que tem um tipo específico de pessoa (como Eu, Haruki Murakami, uns modernos) que enlouquece com esse livro e enxerga mais coisa a cada vez que lê (a terceira vez foi bem melhor que a primeira).

    ResponderExcluir