http-equiv=’refresh’ content=’0; Boulevard of Ideas: Viva o pocket book!

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Viva o pocket book!

Olá,

Mais uma vez o post é literário e não deixa de ser um teste também, pois tenho que fazer uma coluna p/ uma revista da faculdade (a 56ª que eu faço já hahaha) e gostaria que vocês, meus queridos leitores, ficassem a vontade p/ criticar, sugerir mudanças e/ou acréscimos ;D


Uma das coisas pela qual sou grata é o pocket book (livro de bolso). De verdade, além de obviamente pequenos, o que facilita na hora de guardar, são baratos e trazem grandes clássicos com textos na íntegra. São ótimos para ler no ônibus, durante aquela aula chata, no trabalho...

O injusto é que eles ficam relegados naquelas estantes giratórias que tem nos cantinhos das livrarias, não ganhando o destaque que merecem. O foco são os best-sellers como Crepúsculo, A Cabana, algum livro do Augusto Cury, alguma biografia de uma personalidade que acabou de morrer, livros de auto-ajuda e de padres e alguma ficção que está na lista dos mais vendidos do New York Times. Nada contra este tipo de literatura, mas o que me incomoda são essas pessoas que só leem o que está na moda para não ficarem por fora.

Quantas pessoas que você conhece leram "O Segredo" e acharam que a vida delas mudou depois disso? Dentre estas mesmas pessoas, quantas já leram um dos clássicos da literatura pelo simples prazer da leitura? É o apelo comercial, o modismo, que as motivam. Enquanto isso, nomes como Jane Austen, Edgar Allan Poe, Arthur Conan Doyle, Charles Dickens, Shakespeare e tantos outros ficam sendo apenas nomes que as pessoas já ouviram falar, mas que nunca tiveram a curiosidade de lê-los.

O pior são aquelas pessoas que dizem que o livro preferido delas é "O Pequeno Príncipe" e para mostrarem que conhecem recitam frases célebres como "Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas". Convenhamos que citar a obra de Saint-Exupéry é resposta de Miss em concurso, tornou-se um clichê. Mas isso já é assunto para uma próxima coluna...

Veja as obras que você pode adquirir por menos de 10 reais:

Histórias Extraordinárias
Edgar Allan Poe

Sinopse: O livro é uma coletânea de contos publicados entre os anos de 1833 e 1845, considerados clássicos da literatura de horror e policial. Há histórias instigantes, como 'Os Crimes da Rua Morgue'; 'Nunca Aposte sua Cabeça com o Diabo'; 'O Coração Denunciador'; 'A Máscara da Morte Rubra'.


O último adeus de Sherlock Holmes
Arthur Conan Doyle

Sinopse: Publicado inicialmente em 1917, o detetive e seu companheiro, Dr Watson, resolvem oito casos muito peculiares, que abrangem desde rapto e assassinato até furto e traição.

Histórias de Fantasmas
Charles Dickens

Sinopse: O grande escritor vitoriano, conhecido pelos romances que abordam a problemática social e retratam as dificuldades da infância, tinha um gosto especial por fenômenos sobrenaturais e histórias de fantasmas, especialmente as natalinas. Treze delas, incluindo "Fantasmas de Natal", estão reunidas nesta edição.

O Mercador de Veneza
William Shakespeare

Sinopse: Escrita provavelmente em 1594, é uma de suas peças mais encenadas e filmadas. Entre seus personagens, há Shylock, o usurário judeu que pretende usar a justiça para uma terrível vingança. A obra foi inspirada em duas fontes: Il Pecorone e Gesta Romanorum, conjuntos de contos antigos traduzidos para o inglês.

That's all for today ;D

Bjins

3 comentários:

  1. Durante o primeiro grau eu lia aqueles livros de bolso de velho-oeste. Todo mundo me dizia que aquele tipo de livro era coisa de velho. Não sei da onde surgiu o rótulo, mas eu me amarrava. Eu passava no sebo, comprava cada um por 50 centavos e garantia a minha distração por algumas viagens de ônibus. Bons tempos.

    ResponderExcluir
  2. Pocket Book realmente é uma grande invenção da humanidade. É claro que existem várias exceções, mas a grande maioria de Pockets tem um defeito: como são feitos para serem baratinhos, pecam no capricho à edição. Por outro lado é um desafio, colocar um clássico inteiro num formato pequeno de um jeito que fique legível e funcional. E aí realmente está o grande feito.

    E clássicos, adoro esses clássicos! Preciso ler algo do Allan Poe, esse Histórias Extarordinárias deu até água na boca.

    Mas... po, eu gosto do Pequeno Príncipe...! XD

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Também adoro pocket books, além de serem muito mais fáceis de carregar, não ocupam tanto espaço na prateleira e são mt mais baratos!
    Concordo com o Vinícius, alguns tem sérios problemas de português e outros erros como falta de pontuação e etc...Mas no geral são mt bons hahahah
    Gostei das recomendações!
    bjss

    ResponderExcluir