http-equiv=’refresh’ content=’0; Boulevard of Ideas: Março 2011

quinta-feira, 31 de março de 2011

Era uma vez

Olá,

no post provavelmente vai aparecer dia 31, mas tecnicamente já é dia 1º de abril e portanto revelarei o vencedor (ou será vencedora?) da promoção.

Primeiramente gostaria de dizer que as resposta foram muito mais criativas que o real motivo da minha escolha.

Segundo, vou explicar rapidinho o motivo do nome: Estava eu matutando um nome para o blog, mas nenhum era aceito pois já existiam. Pensei em "neurose", "paranóia" e até em "anarquia" porque eu gosto de como essas palavras soam e nada. Atá que resolvi abrir a playlist do meu itunes e dar uma olhada no nome das músicas e fui direto na minha banda preferida, o Green Day. A palavra "Boulevard" é francesa e eu gostei de como a união do inglês com francês soou no título de "Boulevard of broken dreams", mas para ficar diferente e mais curto, resolvi substituir o "broken dreams" por "ideas", que acho que definiria melhor o objetivo desse blog que é expressar certas ideias e pensamentos que tenho.

Reconheço que deveria ter bolado uma outra pergunta para a promoção, porque não achei que fosse tão óbvia a resposta (fica p/ próxima hahaha), mas a vencedora foi a Nathália Pandeló que acertou de primeira. (Depois da resposta dela eu pensei "Ahhh, agora que ninguém comenta pq ela já acertou de cara", mas obrigada a todos que participaram. Se ninguém tivesse acertado, seria difícil escolher a mais criativa ;D)



A seguir, um texto antigo que achei aqui e resolvi postar só p/ ter alguma coisa ;D

Era uma vez

Um passante desatento que pousa um olhar numa passante desatenta.
Ele passa a prestar atenção. Antes de seu cérebro assimilar a divina presença que deixa
seus nervos em frangalhos, seu coração já está em disparada. Falta-lhe o ar.

Ao mesmo tempo que ele quer que ela o olhe e vá cumprimentá-lo, ele quer passar despercebido, pois não quer fazer papel de bobo, já que toda vez que a encontra, suas mãos suam, seu estômago se revira, a voz falha e quando consegue falar, gagueja.

Tarde demais. Ela o vê e prontamente vai falar com ele. Apático como se tivesse visto um
fantasma, ela nem nota que o motivo de sua palidez é sua mera presença.

Entusiasmada ela lhe conta sobre sua vida. Ele viaja por suas palavras, pelo movimento de seus lábios e imagina como seria beijá-los. É despertado de seu devaneio por uma pergunta que ela insiste em repetir e exige uma resposta. "Você vai?", ela pergunta esperançosa.

Sem pensar ele responde "é claro", pois não lhe importa a pergunta. Se ela lhe pedisse para descer ao inferno, ele iria sem hesitar. Mas perto do que ela acabara de lhe pedir, o inferno seria um parque de diversão.

Ele dissera sim. Tentou manter o rosto impassível e um sorriso inexpressível enquanto a tristeza lhe corroia por dentro. Já estava treinando a expressão que ele faria toda vez que a encontrasse a partir de então.

Já estava cheio de se sentir vazio. Ele odiava amá-la tanto. Paradoxo.

Sentir como se tivesse levado mil facadas no peito ou como se tivesse sido esmagado por uma manada... Não haveria metáfora que explicasse como ele estava se sentindo.

"Estou tão feliz por você, espero que sejam muito felizes". Ela estava tão alheia a tudo que se passava na cabeça dele que ficou feliz com o comentário irônico que ele acabara de proferir.

Era uma vez a história de amor que ele tanto imaginara e que nunca aconteceu.

Era uma vez algo que poderia ter sido e não foi.

Era uma vez um rapaz que era alheio a tudo e a todos que nunca percebeu o quanto ela gostava dele e que acabou nunca tentando por medo da rejeição.

Era uma vez um rapaz que era tão distraído, que perdera a felicidade que ele não sabia ter nas mãos.

Era uma vez um passante desatento.

É isso =)

Bom fim de semana!

Bjs

quinta-feira, 24 de março de 2011

Promoção no Boulevard



Olá,

Depois de tantos posts e comentários, decidi que vocês, meus fieis leitores merecem ser recompensados então vou fazer uma singela promoção.

Quem acertar a pergunta que eu vou fazer leva o DVD "One last wild night" do Bon Jovi, novinho e embalado ;D

Regras:

-Vence quem chegar mais perto da resposta.
-Se ninguém chegar nem perto, vence a resposta mais criativa.
-Se o vencedor for de outra cidade, estado ou país, mandarei o DVD pelo correio e se não chegar, culpem o correio pq a minha parte eu vou fazer hahahaha

Como participar?

-Só deixar sua resposta no comentário dessa postagem ;D

A perguntinha é bem fácil: POR QUE O BOULEVARD OF IDEAS TEM ESSE NOME?

A promoção é válida até dia 31 de março. Dia 1 de abril eu revelo o vencedor (sem pegadinha por ser o dia da mentira, ok? A pessoa vai ganhar mesmo o dvd).

Saca só o setlist do DVD:

One Wild Night
Raise Your Hands
You Give Love a Bad Name
Born to Be My Baby
Livin´ on a Prayer
Bed of Roses
Blaze of Flory
Wild in the Streets
It´s My Life
Keep the Faith
Wanted Dead Or Alive
Lay Your Hands on Me
Bad Medicine
Shout

Participem ;D

Bjs

sexta-feira, 18 de março de 2011

Guia de como ser um mala



Olá,

Todos nós já estudamos ou convivemos com um mala, né? E é incrível como essas pessoas se acham engraçadas e não percebem o quanto são chatas e incovenientes. Então se vc acha que se encaixa em algum dos itens abaixo, trate-se ou vai ficar sem amigos!

Dicas de como ser um mala:

-No twitter, fale absolutamente tudo o que você estiver pensando. Se estiver com fome, coloca lá, se estiver com sono, tuíte “Ai que sono #dormirmodeon”, se sua vida está uma droga, lamente-se por lá também, ou seja, use as redes sociais como diário.

-Na escola / faculdade: faça perguntas no final da aula; sugira exercícios extras para reforçar a matéria; faça trocadilhos infames e ria sozinho; aproveite qualquer brecha do professor para falar algo da sua vida; faça observações a todo momento sobre o que está sendo dito em sala de aula e claro, denuncie o amiguinho que não fez o dever de casa, ou aquele que estiver colando.

-Se você tem uma posição política diferente dos demais ou é de outra religião, faça com que sua opinião prevaleça o tempo todo e menospreze a escolha dos outros.

-Seja repetitivo. Fale daquela viagem maneiríssima que você acabou de fazer pelo menos cinco vezes por dia para todos ao seu redor.

-Ligue trezentas vezes para a pessoa que está atrasada em cinco minutos.

-Conte vantagens e mostre sua superioridade.

-Quando alguém te perguntar “Tudo bem?”, responda e seja sincero contando minuciosamente tudo que está de errado com você.

-Seja do contra. Oponha-se a todos os programas que propuserem.

-Reclame de absolutamente tudo e insista até que seja feita vossa vontade.

-Se você faz dieta, conte calorias o tempo todo e avise a todos quantas calorias tem o sorvete que eles estão tomando.

-Fale sempre sobre as mesmas coisas; não tenha assunto interessante.

-Não escute o que os outros tenham a dizer e não dê a chance de ninguém falar.


Se você segue todos esses passos a risca, parabéns! Você é um pé no saco que nunca vai ter amigos porque ninguém aguenta ficar perto de você. Só deixo uma dica para você: “Se não tem nada a dizer, cale-se, pois é melhor ficar quieto e se passar por idiota do que abrir a boca e confirmar”.


PS: Esse só foi um desabafo pq se eu pudesse (ou melhor, se eu tivesse cara de pau o suficiente), essas são as coisas que eu falaria p/ certas pessoas hahahaah
PS2: Sugiram um tema p/ próximo post ;D

Bjins

sexta-feira, 11 de março de 2011

Literatura em quadrinhos



Olá,

atendendo novamente a pedidos, farei outro post literário, mas dessa vez focando em livros irreverentes e que usam os quadrinhos para contar suas histórias.

Gravem este nome: Hervé Bourhis porque ele é genial. Fãs de quadrinhos e literatura tem dois pratos cheios com “O pequeno livro do rock” e “O pequeno livro dos Beatles” que contam a história do rock e do Fab Four, respectivamente, de modo irreverente e concisa.

Veja abaixo as descrições do livro (que eu peguei no site da submarino) que resume perfeitamente uma das obras:

A história do rock em quadrinhos

"Jamais tive uma overdose; não vi os Sex Pistols no Chalet du Lac; não estive no Bronx nos primórdios do hip-hop; não vi os Beatles ao vivo no Ed Sullivan Show; não fui aos shows do Elvis em 55; não compartilhei groupies com o Led Zeppelin; não sou um crítico de rock profissional; não tenho vontade de ser completo, objetivo ou de boa-fé. Em suma, não tenho nenhuma legitimidade para escrever este livro, e foi por todas essas razões que mesmo assim o escrevi." Não é à toa que Hervé Bourhis inicia assim o seu Pequeno Livro do Rock.

Cansado de ver tantas compilações de notícias e informações repetidas sobre o rock´n´roll, esse francês de 35 anos, amante da música e do desenho, decidiu escrever ele mesmo o seu diário particular do rock com base naquilo que leu, ouviu e respirou durante décadas em revistas, canções e filmes que marcaram as gerações dos cinco continentes..

Ilustrado ano a ano através de capas de discos, letras de músicas, cortes de cabelo, fatos e boatos, o autor fez questão de não se deter apenas em ícones do gênero, retratando situações curiosas sobre personagens desconhecidos, os quais, de alguma forma, tiveram papel importante nesse cenário. Há ainda as ´batalhas´, onde Hervé, de maneira divertida, lista e compara _como faz todo bom fã de rock _discos de dois artistas ou grupos diferentes: Chuck Berry ou Little Richard, Lou Reed ou David Bowie, Nirvana ou Pixies? Quem será o vencedor? .

Ao fim, quem sempre sai vencendo é o leitor. Mesmo aqueles que não são fãs de carteirinha se sentirão parte dessa história, "A única que realmente nos afetou, a única na qual nos envolvemos. Um livro que se folheia seguindo a ordem, na desordem, pouco importa. Um livro que se ouve. No qual a trilha sonora gira em círculo dentro de nossa cabeça" - do prefácio de Hugo Cassavetti.

->No decorrer do livro ele recomenda músicas dos mais variados estilos (todos sabem como o rock é abrangente) e fala muito do rock francês que até então, para mim era uma incógnita. A retratação dos grandes nomes do rock em quadrinhos e a forma que ele conta a história é cômica e a cada página você vai conhecendo vários nomes (e relembrando também) desde 1915 até 15 de junho de 2009 e nas páginas finais ele faz uma seleção de singles de 1950 a 2009 para nós conhecermos (e lista várias músicas de TODOS os anos entre essas décadas). Ainda tem o Bônus do Bônus com piadinhas, tops e a discografia do Neil Young.

Abaixo uma das páginas do livro para vocês terem o gostinho de como é:






Já “O pequeno livro dos Beatles” segue a mesma fórmula e é um livro obrigatório para qualquer beatlemaníaco e para quem não conhece a história deles também porque conta tudo de modo resumido e irônico. Outra coisa que eu adorei é o fato dele falar de TODOS os álbuns deles enquanto banda e posteriormente também, é um livro que narra a trajetória deles depois do término e faz críticas dos álbuns solos de todos sem exceção. Para quem não sabia que o George e o Ringo gravaram vários discos também, agora vcs vão ter a chance de conhecer a discografia toda de todos ;D

Já o Henrik Lange também resolveu contribuir com a literatura em quadrinhos ao lançar "90 livros clássicos para apressadinhos" onde ele resume em QUATRO quadrinhos por página a história daqueles livros que muita gente não tem paciência para ler e para quem já leu, vai se divertir ainda mais com a objetividade e irreverência de sua escrita e dos desenhos. Clicando na imagem abaixo vocês podem ver o resumo que ele fez de "O Senhor dos Anéis":



Como não dá p/ ler, eu (como sou mt boazinha) vou transcrever p/ vocês:

1º quadrinho: o título (dãããã)
2º: Frodo é um hobbit que encontra um anel mágico que controla o mundo. Mas o anel é do mal, por isso tem que se livrar dele.
3º: Parece que tudo que é de ruim na Terra Média vai atrás dele, mas ele consegue se safar.
4º: Frodo consegue chegar na Montanha da Perdição e o anel é destruído pelo fogo e o mundo está a salvo de novo. Até que isso daria um bom filme, né?

Ótimo, né? Olha que o Senhor dos Anéis é um dos poucos livros que eu não consegui passar do 1º capítulo e um dos poucos filmes que me fez dormir de tão chato que achei, e agora nem preciso tentar ler (ou ver os filmes) de novo pq já sei tudo que acontece =)

Se vc é um apressadinho e/ou fã de boa literatura, eis minhas recomendações ;D

Bom fim de semana!

Bjss

sexta-feira, 4 de março de 2011

Olha o Carnaval aí, minha geeeeeeente



Olá,

atendendo à pedidos, atualizei meu Flickr com fotos dos shows do Green Day, Bon Jovi e Backstreet Boys, vai lá ;D

Aproveita e depois dá uma passada no Acontece em Petrópolis ;D

O post de hoje é só uma observação mal-humorada sobre a época mais insuportável do ano, que só vale mesmo para poder ficar em casa ou viajar (p/ quem gosta)...

Mesmo após um grande incêndio na Cidade do Samba, os carnavalescos vão adentrar a Marquês de Sapucaí do mesmo jeito. Só espero que devido às muitas fantasias queimadas, isso não signifique mais pessoas peladonas só com purpurina no corpo sambando loucamente como se estivessem tentando matar a maior quantidade de baratas possível.

É época de tirar o pé do chão, subir o Pelourinho e curtir o olodum, mãinha! É época de ligar a TV e só ver desfiles de carros alegóricos com cabeças gigantes tentando representar um tema que ninguém entende até eles explicarem o que é e seus puxadores dando alô para as comunidades, dizendo que esse ano eles vieram para ganhar.

É época de viajar e relaxar. Peraí, relaxar? Para mim, relaxar é estar num lugar tranquilo, sem nenhum stress, de preferência deitada numa rede lendo ou dormindo e não ir para a praia e enfrentar filas quilométricas para tudo, até para comprar um Kai Bem ou entrar no mar.

E da onde saem essas pessoas que a gente vê na rua? Acho que nem nos confins do inferno eu vou achar gente tão feia e estranha como no Carnaval de rua. Não sei se são os dias virados que as deixam assim ou se é pura sacanagem de Deus mesmo.

Carnaval é essa época mágica em que as pessoas se transformam no pior que elas podem ser e aproveitam para procriar. Por que vocês acham que nasce tanta criança no final do ano? Para depois você não ter o desprazer de descobrir que o pai do seu filho era um bêbado fantasiado de Fred Flinstone (isso se você lembrar quem e qual foi), use camisinha! (Nem preciso falar das DSTs que podem vir no pacote, né?)

Embora eu soe como o Grinch do Carnaval, seja indo atrás do trio elétrico dançando ao ouvir o toque do agogô ou seja em casa invejando quem foi viajar para Cabo Frio (ou qualquer outra cidade litorânea), aproveitem o feriado porque depois desse, só.... no mês que vem!

Aproveitem com moderação ;D

Bjss e bom Carnaval a todos!