http-equiv=’refresh’ content=’0; Boulevard of Ideas: Os 5 filmes mais confusos que eu já vi

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Os 5 filmes mais confusos que eu já vi

Olá,

Como qualquer pessoa, eu também sou fã de um bom filme, principalmente aqueles diferentes que fogem completamente do convencional e nos fazem pensar. Porém, qual o limite entre o criativo e o “nonsense” total? Qual o limite entre o inesperado e o “WTF?” no final do filme? Tendo isso em mente, abaixo vocês conferem uma lista de filmes que eu considero confusos, mas que você entende depois de refletir sobre ele ou quando o vê pelo segunda, terceira.. enésima vez.



A Origem – Christopher Nolan

Sinopse: Em um mundo onde é possível entrar na mente humana, Cobb (Leonardo DiCaprio) está entre os melhores na arte de roubar segredos valiosos do inconsciente, durante o estado de sono. Além disto ele é um fugitivo, pois está impedido de retornar aos Estados Unidos devido à morte de Mal (Marion Cotillard). Desesperado para rever seus filhos, Cobb aceita a ousada missão proposta por Saito (Ken Watanabe), um empresário japonês: entrar na mente de Richard Fischer (Cillian Murphy), o herdeiro de um império econômico, e plantar a ideia de desmembrá-lo. Para realizar este feito ele conta com a ajuda do parceiro Arthur (Joseph Gordon-Levitt), a inexperiente arquiteta de sonhos Ariadne (Ellen Page) e Eames (Tom Hardy), que consegue se disfarçar de forma precisa no mundo dos sonhos.


-> Enquanto assistia a esse filme, confesso que fiquei muito perdida porque era um entrando no sonho do outro e morrendo e indo p/ outro sonho e vivendo e por aí vai. Juro que o que me veio à mente foi: o Nolan pegou um pouco da confusão de outros diretores como nos filmes “Brilho eterno de uma mente sem lembranças”, “Matrix” e “A ilha do medo” e juntou tudo num filme só. O que é real e o que não é, é muito Matrix. A confusão mental pela morte da esposa é da Ilha do Medo (que inclusive é com o Leonardo DiCaprio também) e a parte do romance, de não conseguir se esquecer da amada é de Brilho eterno. Posso estar viajando, mas acho que esse é o objetivo do filme: dar um nó mental. E o final é tipo “Lost”, né não? Não gostei do filme (e sim, eu entendi a história) porque acho que tentaram fazer uma coisa mt diferente p/ mostrar cenários diferentes e complicaram ao máximo p/ contar uma história clichê.

(Como todo mundo que eu conheço que viu, gostou, eu logo deduzi que não iria gostar pq nunca estou de acordo com a opinião da maioria hahahah)



Vanilla Sky – Cameron Crowe

Sinopse: Em Nova York são narrados em flashback fatos angustiantes da vida de David Aames (Tom Cruise), um jovem empresário que é dono de um império editorial. David tem sua vida modificada quando conhece Sofia Serrano (Penélope Cruz), uma bela jovem por quem se apaixona .Tal relacionamento desperta ciúmes em Julie Gianni (Cameron Diaz), uma "amizade colorida" de Davis, que quer muito mais que mero envolvimento sexual com ele. Um dia, após sair da casa de Sofia, David encontra Julie, que usando o pretexto de querer conversar com ele o convence a entrar no carro dela. Em um ímpeto de loucura, e cega por se sentir preterida, ela lança o carro por cima de um viaduto. Ela não resiste ao impacto e morre. David sobrevive, mas fica com o rosto bem desfigurado e entra em coma, ficando neste estado por três semanas. Ao se ver David fica traumatizado e oferece qualquer quantia para reconstruírem seu rosto. Repentinamente realidade e fantasia se confundem de forma assustadora.

-> Esse filme foi eleito o mais confuso de todos os tempos por vários sites e eu concordo. Acho que o objetivo era mostrar que o Tom Cruise e a Cameron Diaz são capazes de fazer filmes “cabeças” não só aqueles pastelões e de fato, conseguiram. O filme é bom, é diferente de tudo que vocês já viram, mas tem que prestar atenção p/ captar o que o filme quer passar. Acho que "Efeito Borboleta" pode ter sido inspirado em Vanilla Sky, mas é mt melhor hahahaha



A dama na água – M. Night Shyamalan

Sinopse: Cleveland Heep (Paul Giamatti) é um homem triste e solitário. Até que, numa noite qualquer, acontece algo que muda drasticamente sua vida. Ele encontra em seu prédio uma outra pessoa que tenta se esconder dos demais, uma jovem misteriosa chamada Story (Bryce Dallas Howard), que mora entre as passagens sob a piscina. Surpreso, Cleveland descobre que Story é uma "narf", uma espécie de ninfa das histórias infantis, e que ela é perseguida por criaturas malignas, que desejam impedir que ela retorne ao seu mundo de origem. Além disto Story possui poderes de percepção, que a permite ver qual será o destino dos moradores do prédio de Cleveland. Juntos, Cleveland e os moradores de seu prédio, se unem para encontrar um meio que permita Story a retornar ao seu mundo.

-> O trailer promete um “suspense fantasioso interessante” quando na verdade é só mais uma viajem do Shyamalan. Eu ainda dou um desconto p/ ele porque “O sexto sentido” é sensacional, mas “A dama na água” é chato e sem sentido. Ok, é baseado num conto de ninar que ele contava aos seus filhos, mas as crianças só deviam dormir p/ não ficarem cada vez mais confusas com a história. Do nada a criatura aparece na piscina, aí tem umas “moitas que se mexem” que atacam e do nada também a criatura vai embora. É longo, chato e com péssimo roteiro. NÃO RECOMENDO!




Magical Mystery Tour – The Beatles

Sinopse: A história gira em torno de Ringo Starr e sua tia Jessie, que adquirem bilhetes para um passeio (tour) em um ônibus, sem um roteiro conhecido pelos passageiros, mas considerado mágico e misterioso pelos seus organizadores (Magical Mystery Tour). Neste passeio estão todos os Beatles e figuras pitorescas, inclusive uma criança, a jovem Nichola. Durante o roteiro turístico, mágicos (protagonizados por John, Paul, Ringo e George, além de Mal Evans) intervêm no passeio, criando situações inusitadas e algumas vezes pitorescas. Além das músicas dos Beatles, participam com número musical, os membros da banda Bonzo Dog Doo Dah Band que cantam a música "Death Cab for Cutie" durante a sessão de strip-tease, protagonizada pela stripper Jan Carlzon.

-> Como uma beatlemaníaca, é lógico que eu tive que comprar o filme e só de vê-los cantando suas músicas mesmo que fosse no meio de uma história sem pé nem cabeça, valeu a pena. “Help!” que foi um grande sucesso eu já tinha achado “nada a ver”, esse filme então nem se fala. Não tem história e não procure achar um sentido nele que pelas cores, figurinos e personagens só pode ter uma explicação: LSD. Recomendo só p/ quem gosta muito dos Beatles, porque quem não gosta vai achar que é só mais um produto com o nome do FabFour feito p/ dar dinheiro, o que não deixa de ser verdade...



O mundo imaginário de Dr Parnassus – Terry Gilliam

Sinopse: O Dr. Parnassus (Christopher Plummer) tem o dom de inspirar a imaginação das pessoas. Dono de uma companhia de teatro itinerante, ele conta com a ajuda de seu assistente Percy (Verne Troyer) e do mágico Anton (Andrew Garfield) para oferecer ao público a chance de transcender a realidade e entrar em um universo sem limites, o qual pode ser alcançado ao atravessar um espelho mágico. Tony (Heath Ledger) foi encontrado pela trupe dependurado em uma ponte, à beira da morte. Após ser salvo, ele passa a integrar a equipe, como forma de escapar de seu passado. Em uma tentativa de modernizar o show, ele termina por conhecer o novo mundo oferecido por Parnassus e passa por diversas transformações no decorrer de sua viagem. Só que esta mágica tem um preço e ele está perto de ser cobrado ao dr. Parnassus: sua preciosa filha Valentina (Lily Cole).

-> Tenho quase certeza que já falei desse filme por aqui, mas falo de novo pq como o assunto é filme confuso, não podia deixar um filme do Terry Gilliam de fora. Como todos os filmes de Gilliam, este é altamente fantasioso e com cenários incríveis. Cada cena parece um mergulho numa tela surrealista e esse filme é especial, pois foi o último de Heath Ledger e como ele morreu enquanto o filme ainda estava sendo gravado, foi substituído por Johnny Depp, Jude Law e Colin Farrell que se saíram muito bem. O filme é perfeito para quem gosta dos mundos fantasiosos de Gilliam e p/ matar as saudades do Ledger que foi um grande ator.


E p/ vc? Qual o filme mais sem sentido que vc já viu? Comente ;D


Bjss

8 comentários:

  1. Verei a "origem" logo.. Vanila Sky é complexo mesmo. Os demais, eu não tive vontade de assistir

    ResponderExcluir
  2. Po, vi a Origem e gostei, apesar de ter ficado bem confusa. Chega uma hora que vc não sabe quando é sonho e quando é realidade! suhaushasuahsuashaushasuhusah
    Foi o único filme que assisti entre os listados, apesar que sou looouca pra ver Dr. Parnassus *---*

    beeijos

    ResponderExcluir
  3. Taí, filmes confusos servem para deixar a gente em dúvida se estamos diante de uma obra-prima ou de uma verdadeira porcaria.

    Na verdade, eu tenho pra mim que o simples bom é que é complicado de fazer. Não sou nenhum entendido, mas o cinema do século 21 tem muitas artimanhas para fazer bilheteria e esconder um roteiro ruim, seja com cenários, efeitos especiais, atores-celebridades...

    De qualquer forma eu gostei de A Origem. E gostei também do post, trazendo um olhar sobre essa categoria de filmes. Ótimo!

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Tds esses filmes são bem confusos sim, só o dos Beatles que eu acho q naum vi...
    Adoro "Vanilla Sky", "O mundo imaginário de Dr Parnassus" é suuuuper confuso e estranho, não gostei....
    "A dama na água" é ruim e chato hauuah
    e "A Origem" achei incrível!
    ótimo post!
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Para ser sincero, nenhum desses ai faz muito meu estilo. Logo, fico com sono. Por isso, não sei se o filme é realmente confuso ou eu que não estava nem ai para ele mesmo. Haha.
    Mas, vou parar para assistir mais atentamente a eles e perceber o quão chatos são.
    Bom texto! ;)

    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. De: psicossomática do ser
    O filme “O mundo imaginário do doutor Parnassus” tem todo sentido. A moral do filme é mostrar que o doutor Parnassus, assim como tantas pessoas, e ás vezes até psicólogos, consegue captar a psiquê, informações, sobre o mundo em particular, de quaisquer que sejam as pessoas e dar soluções cabíveis, e outras até equivocadas. Enquanto o próprio Parnassus não conseguem associar ou enxergar com clareza os seus próprios conflitos psicológicos e conseqüentemente solucioná-los. E então o doutor Parnassus mostra a cada uma delas os prós e os contras das suas próprias fantasias ao entrarem no espelho; ferramenta que supostamente equalizaria as pessoas em si mesmas. O espelho é apenas uma convicção ferrenha que cada pessoa adquiriu antes de adentrar no suposto espelho mágico, pois as pessoas chegam a este estado da mente através do poder da sugestão ou por hipnose. Na finalidade de mostrar sucessivamente o mundo de cada pessoa em si mesma, com as suas diferenças, peculiaridades e às vezes o que há em comum de um com outro. No propósito de que cada uma delas reflita e enxergue algo que os transformem em pessoas melhores. Pois este é o grande poder do doutor, que foi posto a prova quando o próprio foi atentado por Lúcifer ao fazer uma aposta! Aposta, essa era a fraqueza de Parnassus, ele era um apostador incorrigível e com isso fez o seguinte acordo: Parnassus teria X almas nas mãos para fazer com que elas superassem as suas próprias limitações. Caso ele não conseguisse, Lúcifer as mandaria para o inferno. E isso acontecendo acarretaria que Paranassus, pagasse a dívida com a perda dos seus poderes e o mais grave o amor da sua filha. Pois Lúcifer apagou da memória da filha de Parnassus a sua existência, os separando definitivamente um do outro.
    Bom, essa é a moral do filme, não coloquei todos os detalhes, mas sugiro que após ler o que te mando assista novamente o filme.

    Para: Boulevard of ideias.

    Abraços!!!!!

    ResponderExcluir
  8. Veja 'Donnie Darko' e 'Cidade dos Sonhos'

    ResponderExcluir