http-equiv=’refresh’ content=’0; Boulevard of Ideas: Emolândia

terça-feira, 1 de junho de 2010

Emolândia

Oláááá,

Final de período é um saco né? Vários trabalhos (bem trabalhosos), provas, falta de ânimo e paciência para realizá-los, e tudo antecipado por causa da Copa... Mas eu como sou fiel a esse blog (e boa-vida também, por enquanto haahahaha) venho aqui postar p/ que vocês não sintam muitas saudades das asneiras que eu publico aqui xD

Antes de ir ao post, deixa eu recomendar 2 filmes:

Sex and the City 2 -> é MT bom, é ainda melhor que o 1º e dá p/ rir bastante =)

Acima de qualquer suspeita -> um suspense com uma trama muito bem bolada. Até onde você iria para ser um jornalista reconhecido? Hmmm, te deixei curioso? Então aluga o filme pq vale a pena ;D

Bom, quanto ao post, só quero deixar um recadinho antes:

Miguxinhas e miguxinhos (caso alguém, além dos meus fiéis leitores e amigos leia isso aqui), não me joguem pedras, mas é apenas uma opinião de alguém que já teve a idade de vocês e já gostou (e ainda gosta xD) de muito lixo que tem por aí. O post não tem objetivo de xingar ninguém que goste das bandas citadas, até porque muitas das “emos tristes” são legais, foi só porque me deu na telha falar sobre isso =)


Boys like Girls (não, não são meninos como meninas, gosto de pensar que são meninos que gostam de meninas hahaha)


Fall Out Boy (não foi o vocalista que engravidou a Ashley Simpson?)


Hóri


Cine

Lembra daquela época onde o termo "emo" passou a ser vírgula na boca de adolescentes
para ofender os outros e surgiram caras com franja na cara, umas coloridas (e diga-se de passagem, muito mal pintadas), roupas só pretas ou brancas coladas no corpo, meias até o joelho listradas, all star xadrez, e tendências suicidas?

Então, tudo e todos passaram a ser rotulados com a palavra da moda. Muitos adolescentes em busca de uma identidade adotaram o visual diferente e atitude retardada(desculpe a expressão) para chamarem a atenção e chocarem os mais velhos.

Bandas como Simple Plan, Panic at the disco!, Fall out Boy, Boys like Girls, 30 seconds to Mars, My Chemical Romance (só p/ citar algumas) foram rotuladas como emos por causa de suas letras melódicas, o famoso franjão adotado pelos integrantes das bandas (pelo menos o vocalista sempre tinha) e maquiagens pesadas.

Só para entendermos da onde vem o termo tão difundido: Segundo a Wikipedia, emo é um gênero de música derivado do hardcore punk. O termo foi originalmente dado às bandas do cenário punk de Washington, DC que compunham num lirismo mais emotivo que o habitual.

Atire a primeira pedra quem não se pegou cantando pelo menos uma música considerada emo. Confesso que “Welcome to my Life” do Simple Plan era uma das músicas que eu mais escutava na época, e gosto da banda até hoje.

O uso do termo emo é apenas mais um nome que as pessoas usam para rotular os grupinhos diferentes e normalmente os rótulos são pejorativos. Sempre tem o grupo dos góticos, das patricinhas, surfistas, skatistas, funkeiros, nerds, rastafaris (fãs incondicionais do Bob Marley com dreads na cabeça, vendendo bijuterias artesanais nas pracinhas) e agora, dos emos. Às vezes você vai ficar ofendido se te chamarem de mauricinho, outros se forem chamados de góticos, outros de flamenguistas (aí já to apelando, né?), mas é apenas mais um modismo, mais um nome que não define ninguém, nem mesmo o estilo da pessoa, porque quem de fato tem estilo (ter estilo não é copiar a roupa do seu artistas preferido) é justamente quem não se encaixa em nenhum modismo e destaca-se por si só.

Emos foram xingados, insultados, humilhados, excluídos e ridicularizados por causa de suas ações infantis e seu dialeto miguxês, mas ninguém esperava que algo muito pior fosse aparecer: o tal do “rock colorido”, ou seja, emos felizes.

Sim, porque depressão saiu de moda. Quer coisa mais clichê que se vestir de preto, botar uma franja na cara e gritar que sua vida não presta? Agora a boa é ser feliz e abandonar as roupas pretas e brancas (que pelo menos eram cores neutras) e adotar roupas coloridas mais justas que os shortinhos das dançarinas de axé. Por que não comprar um óculos Ray Ban colorido e falsificado, pintar seu franjão de roxo com bolinhas amarelas, vestir uma calça verde fluorescente com uma camisa (com decote V) berinjela e um casaco super estampado e colorido por cima?

Você que reclamava de NxZero, Fresno, Forfun (e as bandas que tocam na trilha de Malhação), etc, agora tem que aturar Cine, Restart, Replace, Hóri (a banda do Fiuk, famoso porque é filho do Fábio Jr) e derivados.

Olha só o que o tal de DH, vocalista do Cine disse numa matéria do G1: “A gente também fala de amor nas músicas, mas não na linha ‘te amo, quero viver com você pra sempre’”. A gente diz ‘te amo, quero te pegar na balada hoje’, avalia o neogalã, autor do hit ‘Garota radical’ (Vem ser só minha / Vai ser você / Aposto um beijo que você me quer, diz a letra). “É uma coisa meio Cazuza de ‘amor inventado’, que reflete como a galera da nossa idade se comporta. É o amor da festa de hoje à noite. Amanhã a gente inventa outro”, completa.

Cazuza até se revirou depois dessa. Comparar “Garota Radical” com “Exagerado” (Adoro um amor inventado... vocês sabem a letra) foi de uma ousadia tremenda. Alguém consegue imaginar o Cazuza com uma voz de pré-adolescente (e olha que o DH tem 23 anos) cantando “ÔÔÔÔ Ô, ÔÔÔUÔ Vem ser só minha...”? Já o Felipe Dylon (que engordou e virou rasta) eu consigo, até porque “Musa do Verão” não é diferente de “Garota Radical”, a diferença é que o Dylon fingia que tocava violão e é/era/fingia ser surfista.

Ainda na mesma matéria, as bandas (Izi, Cine, Restart e Replace) citam Green Day, Blink-182 e Paramore como ídolos. (Maldita hora que o Billie foi fazer aquele pseudo-franjão e cantar “Wake me up when september ends” p/s pessoas acharem que GD é banda emo hahahaha)

Cada um tem o direito de ouvir aquilo que quiser e adotar o visual que bem entender, mas que era muito melhor ouvir “Helena”, “I write sins not tragedies”, “I miss you” e “Crazy” do que “Garota Radical” (já repararam que essa é a única música do Cine que eu conheço, né?), isso sem dúvidas.

Coisas de emos:
-Fikdik (odeio isso com toda a força da minha alma hahaha)
-Tenso
-Colegs, Brinks, Amigs
-Terminar as palavras com E ao invés de A
-Falar coisas do tipo "fulano tá seduzindo..."
-Piadas do tipo:
emo1: Pergunta se eu sou uma melancia!
emo2: Vc é uma melancia?
emo1: Sou. Agora pergunta se eu sou uma maçã!
emo2: Você é uma maçã?
emo1:Não, porque eu sou uma melancia.
emo1 e 2: choram de rir
-colocar Srto, Srtá, ou maridóh, maridáh e coisas do tipo...
-colocar símbolos no lugar do nome
-fazer álbum só de banda emo no orkut e botar títulos do tipo "Amo muito", "minha vida", "divas e divos" e por aí a fora...

Entre muitos outros.. quem quiser acrescentar algo a lista, fique a vontade hahaha

Boa semana!

Bjss

6 comentários:

  1. Estou absolutamente por foram desse mundo emo. Já entrei em uma roubada que fui parar em um reduto emo em que eu e meus colegas era os ÚNICOS que usavam roupas com cores, o resto trajavam roupas pretas. Era um desconforto social. Dava muito medo. E dona Editora-chefe, pega leve! é coisa demais para resolver em pouco tempo! Eu, enrolado como sempre, ainda venho comentar no seu blog!!! (risos)

    ResponderExcluir
  2. Descrição exata do mundo emo. Não que eu conheça tanto, mas bateu com o que eu imagino. Como não rotular pessoas que se auto-rotulam? Acho que a MTV entrou nessa onda e - na condição de manipuladora singular do mundo da música - passou a lançar adubo no ventilador e empurrar Cine & afins goela abaixo. O lado bom é que a qualidade do material é tão descartável que, passou malhação, acabou os 15 minutos de fama. O que me entristece é pensar que muito provavelmente existem bandas de muita qualidade tocando dentro de garagem porque não têm o Fábio Jr. como pai. Ah, e ali na listinha das coisas emo faltou duas clássicas: "beijo me liga" e "comofas" hahaha.

    Belo post. Força com o seminário!

    Beijo me liga XD

    ResponderExcluir
  3. Bom como vc sabe sempre "gostei" mt dessa modinha emo ahuahuahauh sempre achei meio toscas essas "coisas de emos" q vc colocou ali naquela lista ahuahuaha mas cada um eh cada um e tds temos gostos diferentes, qum sou eu pra falar do gosto dos outros neh?? ahuahuah mas q eh meio ridiculo eh ahuahah
    Enfim, voltando ao post, tenho q concordar q essas bandas coloridinhas são piores do q as antigas q só vestiam preto, esses dias vi um clipe da Restart eu acho, se era essa msm naum sei, sao tds iguais ahuahuah mas entaum, o cara da banda cantava mt mal, e fazia altas caras e bocas pra câmera, dv ser assim q eles ganham publico neh...
    enfim quando escuto essas músicas tenho que reconhecer q era melhor "Entre a razões e emoções a saída é fazer valer a pena..." ahuahuah mas vai ser sempre assim, coisas piores vão aparecendo...
    Mas o pior foi ler o cara se comparando ao Cazuza, isso sim foi triste...
    Ótimo post!
    bjus

    ResponderExcluir
  4. Adorei seu post, Mari (ou Editora-chefe, como o Rafael chamou hahaha)

    Adorei o post, teve uma época que eu gostava de bandas emos, meu passado negro ahahhaha tenho cds do Panic At The Disco, Fall Out Boy (sim, foi o vocalista quem engravidou a Ashley Simpson), My Chemical Romance (acho que Welcome To The Black Parade foi a grande marcha emo mundial, não? rs), Simple Plan e Nx Zero. E dessa nova fase colorida dos emos, desconheço tudo (só conheço as músicas do Fabio Jr. que a Hóri faz cover hahaha).

    E me encontrei em algumas coisas de emo, tipo falar "brinks", "tenso", "tá seduzindo", "tá na maldade" e coisas do genero, mas sou bem light em relação à isso ;D

    beijos

    ResponderExcluir
  5. boys like girls não é emo, ta bom sua ridicula

    ResponderExcluir
  6. ... vc conhece um emo quando vê um. Não é a roupa que ele usa (emos não curtem esse lixo de restart) mas são as atitudes dele, a maneira de pensar. Vc não é capaz de entender, não me leve a mal mas continue com esse pensamento aí que vc tem que vc me faz um grande favor, OK?

    ResponderExcluir