http-equiv=’refresh’ content=’0; Boulevard of Ideas: Dia dos Namorados

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Dia dos Namorados


Jim Carrey e Kate Winslet em "Brilho eterno de uma mente sem lembranças"

Olá,

amanhã é dia dos namorados, e p/ você que tem um/uma namorado/namorada ou não, mas que gosta de poemas melosos, esse post é p/ vc ;D

Eu particularmente adoro poesia, e vou aproveitar o dia p/ fazer um post "fofo" p/s enamorados.. Vc aí que está matutando sobre o que escrever naquela cartinha que você vai dar junto com o ursinho segurando um coração escrito "I love you" (se vc vai dar isso msm, vc ñ tem imaginação..), copie um dos poemas ;D Mesmo não sendo de sua autoria, qualquer pessoa ia gostar de saber que alguém escolheu tais palavras e dedicou a ela =)

Obs: os casais que ilustram esse post, são os casais que eu mais gosto dos filmes =)

Eu escolhi esse poema do Drummond, porque é simples e lindo. É um dos meus preferidos..

Memória

Amar o perdido
deixa confundido
este coração.
Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.
As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão.
Mas as coisas findas,
muito mais que lindas,
essas ficarão.


Heath Ledger e Julie Stiles em "10 coisas que eu odeio em você"

Soneto CV

Não chame o meu amor de Idolatria
Nem de Ídolo realce a quem eu amo,
Pois todo o meu cantar a um só se alia,
E de uma só maneira eu o proclamo.
É hoje e sempre o meu amor galante,
Inalterável, em grande excelência;
Por isso a minha rima é tão constante
A uma só coisa e exclui a diferença.
'Beleza, Bem, Verdade', eis o que exprimo;
'Beleza, Bem, Verdade', todo o acento;
E em tal mudança está tudo o que primo,
Em um, três temas, de amplo movimento.
'Beleza, Bem, Verdade' sós, outrora;
Num mesmo ser vivem juntos agora.

William Shakespeare


Mathew Perry e Courtney Cox em Friends

Soneto de Fidelidade

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Vinicius de Moraes


Macaulay Culkin e Anna Chlumsky em "Meu primeiro amor"

Eu queria sair por aquela porta e conhecer alguém. Assim, sem precisar procurar no meio da multidão.
Alguém comum, sem destaques evidentes, sem cavalos brancos ou dentes perfeitos.
Alguém que soubesse se aproximar sem ser invasivo ou que não se esforçasse tanto para parecer interessante.
Alguém com quem eu pudesse conversar sobre filosofia, literatura, música, política ou simplesmente sobre o meu dia.
Alguém a quem eu não precisasse impressionar com discursos inteligentes ou com demonstrações de segurança e autoconfiança.
Alguém que me enxergasse sem idealizações e que me achasse atraente ao acordar, de camisa amassada e sem maquiagem.
Alguém que me levasse ao cinema e, depois de um filme sem graça, me roubasse boas gargalhadas.
Alguém de quem eu não quisesse fugir quando a intimidade derrubasse nossas máscaras. Eu queria não precisar usá-las e ainda assim não perder o mistério ou o encanto dos primeiros dias. Alguém que segurasse minha mão e tocasse meu coração. Que não me prendesse, não me limitasse, não me mudasse.
Alguém com quem eu pudesse aprender e ensinar sem vergonhas ou prepotências.
Alguém que me roubasse um beijo no meio de uma briga e me tirasse a razão sem que isso me ameaçasse. Que me dissesse como eu canto e que eu falo demais e que risse das vezes em que eu fosse desastrada.
Alguém que me olhasse nos olhos quando fala, sem me deixar intimidada. Que não depositasse em mim a responsabilidade exclusiva de fazê-lo feliz para com isso tentar isentar-se de culpa quando fracassasse.
Alguém de quem eu não precisasse, mas com quem eu quisesse estar sem motivo certo.
Alguém com qualidades e defeitos suportáveis. Que não fosse tão bonito e ainda assim eu não conseguisse olhar em outra direção.
Alguém educado, mas sem muitas frescuras. Engraçado e, ao mesmo tempo, levasse a vida a sério, mas não excessivamente.
Alguém que me encontrasse até quando eu tento desesperadamente me esconder do mundo. Eu queria sair por aquela porta e conhecer alguém imperfeito. “Feito para mim.”

Mário Quintana


Bug Hall e Brittany Ashton Holmes em "Batutinhas"

Bom é isso =)

Feliz dia dos namorados p/ quem vai comemorar e boa caça p/ quem ainda ñ tem hauiahauihauihaiuhaiauh (péssima essa...)

Bom fds ;D

Bjss

5 comentários:

  1. UAHAUHAUHAUAHUA Mari adorei tudo...
    Quero encontrar uma pessoa dessas! ahuahuahau
    como faz? hihi

    Pelo o que vejo continua escrevendo muito bem!!
    beeijos Mari!!

    ResponderExcluir
  2. Òwn, que post bonitinho! ;D
    Amei o do Mario Quintana e do Soneto do Vinícius de Moraes é lindo, né? *---*

    E as fotos de casais, amo "10 coisas que eu odeio em você", choro sempre no pedido de casamento da Monica e do Chandler e acho uma gracinha "Meu Primeiro Amor" hahahaha

    bjs

    ResponderExcluir
  3. Com a exceção de "Brilho eterno de uma mente sem lembranças", gosto d tds os outros filmes desse post...
    Gostei mt d tds os poemas tb! O do Mário Quintana eh o melhor na minha opinião!
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Destaque total para o mestre Vinicius de Moraes, gênio, sabe falar de amor e namoradas como ninguém. Hahahaha agora Batutinhas veio até com mofo! Também adoro poesia, gostei muito da seleção.

    Beijos!

    ResponderExcluir