http-equiv=’refresh’ content=’0; Boulevard of Ideas: Trilogia Millenium

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Trilogia Millenium



Olá,

ano passado fui apresentada à Trilogia Millenium, trilogia do escritor sueco, já falecido, Stieg Larsson. Os três livros viraram filmes e ontem eu vi o último filme da trilogia, então o post de hoje será falando sobre os filmes e os livros.

Primeiramente, vamos conhecer os principais personagens do 1º livro:

Mikael Blomkvist é um jornalista e co-fundador da revista Millenium, que se dedica principalmente a desmascarar escândalos na alta finança, mas que acabou de ser declarado culpado de um caso de difamação por uma das mais influentes personalidades suecas.

Lisbeth Salander é uma investigadora excepcional e irreverente, com muitos trunfos na manga, que irá juntar forças com Mikael para deslindar o mistério da família Vanger.

Henrik Vanger é um grande empresário na reforma com um passado familiar conturbado que anda obcecado há 40 anos com o desaparecimento da menina dos seus olhos, a sua sobrinha Harriet Vanger. Desapareceu sem deixar testemunhas, qualquer prova, mas Henrik está convencido que foi assassinada. Aproveitando-se da problemática situação em que se encontra Mikael, Henrik pede-lhe para escrever um livro sobre os podres da família Vanger, como desculpa para investigar o desaparecimento de Harriet.

Dragan Armanskij é dono da empresa na qual trabalha Lisbeth, a Milton Security. Ele tem um afeto especial por sua funcionária, e a trata gentilmente.



Os homens que não amavam as mulheres (Título original: Män som hatar kvinnor)

Sinopse do livro: é um enigma a portas fechadas - passa-se na vizinhança de Hedestad, Suécia. Em 1966, Harriet Vanger, jovem herdeira de um império industrial, some sem deixar vestígios. No dia de seu desaparecimento, fechara-se o acesso à ilha onde ela e diversos membros de sua extensa família se encontravam. Desde então, a cada ano, Henrik Vanger, o velho patriarca do clã, recebe uma flor emoldurada - o mesmo presente que Harriet lhe dava, até desaparecer. Henrik está convencido de que ela foi assassinada. E que um Vanger a matou.

Livro: as 100 primeiras páginas do livro chega a ser um pouco chata pois Mikael Blomkvist está focado no caso Wennerström (não lembro como se escreve corretamente, mas é +/- isso ae) que é um escândalo que ele tenta desmascarar que acaba levando-o a prisão e arruina sua credibilidade jornalística. Para se afastar, e como foi contratado para achar Harriet, ele se muda para Hadestad e é quando a história começa a ficar boa. Todo o processo de investigação é bem detalhado, e enquanto você não descobre tudo, simplesmente não tem como desgrudar do livro. A história é interessantíssima e chega a ser surpreendente o final. A única coisa que eu não gostei muito, é que como o início é dedicado ao escândalo financeiro, as últimas 100 páginas é sobre isso também o que o torna meio chato, mas da trilogia, esse é o meu favorito.

Filme: Bem fiel ao livro, e achei muito interessante conhecer o cinema sueco, que provou saber fazer muito bem as adaptações dos livros. A atriz que faz a Lisbeth (Noomi Rapace) a interpretou com perfeição, foi exatamente como eu a havia imaginado.
Michael Nyqvist (Mikael Blomkvist) também interpretou seu papel muito bem, e era mais ou menos como eu o imaginava. O filme fala muito rapidamente sobre o caso Wennerström, o que é ótimo já que o foco é o caso de Harriet Vanger. Vale a pena conferir, mas aconselho a ler o livro primeiro, pois ver o filme primeiro tira a graça de ler o livro já que você sabe tudo que vai acontecer.



A menina que brincava com fogo (Título original: Flickan som lekte med elden)

Principais personagens desse livro, além de Mikael e Lisbeth:

Erika Berger: diretora da revista Millennium.

Malu Eriksson: trabalha na Millennium e ajuda Michael com suas investigações.

Nils Bjurman: tutor de Lisbeth Salander, um advogado corrupto que foi misteriosamente assassinado.

Dag Svensson: um jovem jornalista que antes de ser assassinado preparava um livro denunciando uma rede de tráfico internacional de mulheres, o qual seria publicado pela Millennium.

Mia Bergman: esposa de Dag, escreveu um artigo sobre tráfico de mulheres. Também foi morta.

Jan Bublanski: trabalha na polícia, agora engajado na caça a Lisbeth Salander e na busca de soluções para os crimes.

Sonja Modig: uma competente policial, ajuda Bublanski.

Miriam Wu: amiga de Lisbeth e sua companheira sexual casual.

Paolo Roberto: amigo de Lisbeth, lutador de boxe.

Alexander Zalachenko (Zala): o antagonista da história, é um refugiado da URSS e que comanda um esquema de tráfico de mulheres.

Ronald Niedermann: apelidado de "gigante loiro", trabalha para Zalachenko e não sente dor.

Sinopse do livro: Lisbeth parece uma garota frágil, mas é uma mulher determinada, ardilosa, perita tanto nas artimanhas da ciberpirataria quanto nas táticas do pugilismo. Mikael Blomkvist pode parecer apenas um jornalista em busca de um furo, mas no fundo é um investigador obstinado em desenterrar os crimes obscuros da sociedade sueca, sejam os cometidos por repórteres sensacionalistas, sejam os praticados por magistrados corruptos ou ainda aqueles perpetrados por lobos em pele de cordeiro. Um destes, o tutor de Lisbeth, foi morto a tiros. Na mesma noite, contudo, dois cordeiros também foram assassinados - um jornalista e uma criminologista que estavam prestes a denunciar uma rede de tráfico de mulheres. A arma usada nos crimes não só foi a mesma como nela foram encontradas as impressões digitais de Lisbeth. Procurada por triplo homicídio, a moça desaparece. Mikael sabe que ela apenas está esperando o momento certo para provar que não é culpada e fazer justiça a seu modo. Mas ele também sabe que precisa encontrá-la o mais rapidamente possível, pois mesmo uma jovem tão talentosa pode deparar-se com inimigos muito mais formidáveis, e que, se a polícia ou os bandidos a acharem primeiro, o resultado pode ser funesto, para ambos os lados.

Livro: Eu diria que o primeiro livro é uma apresentação de Mikael e Lisbeth para que o público entenda sua relação nesse livro e no terceiro, já que aqui a história é totalmente diferente. A partir desse volume, o foco do livro passa ser a história de Lisbeth Salander, que é uma garota complicada e com uma vida mais complicada ainda. É interessante descobrir certos aspectos da vida dela para melhor compreendê-la. Ela não é a protagonista convencional (boba, frágil e melosa), ela é uma racker, muito inteligente, vingativa, bissexual e com dificuldades p/ lidar com as pessoas. A dinâmica do livro é rápida, pois tem ação toda hora. Triplo homicídio, ela como suspeita tendo que fugir o tempo todo, os verdadeiros culpados em ação tentando prejudicá-la ainda mais e os jornalistas da revista Millenium fazendo de tudo p/ descobrir a verdade.

Filme: Bem fiel ao livro também. Ver o filme foi como ver tudo que eu havia imaginado ao ler o livro fielmente reproduzido na telinha. É uma pena que os filmes não entraram em cartaz aqui no Brasil.



A rainha do castelo de ar (Título original: Luftslottet som sprängdes)

Os personagens principais são os mesmos do 2º livro.

Sinopse do livro: Mikael Blomkvist está furioso. Furioso com o serviço secreto sueco, que, para proteger um assasino, internou Lisbeth Salander na época com apenas doze anos num hospital psiquiátrico e depois deu um jeito de declará-la incapaz. Furioso com a polícia que agora quer indiciar Lisbeth por uma série de crimes que ela não cometeu. Furioso com a imprensa, que se compromete em pintar a moça como psicopata e lésica satânica. Furioso com a promotoria pública, que pretende pedir que ela seja internada de novo, desta vez ao que parece para sempre.
Enquanto Lisbeth recupera-se num hospital de ferimentos que quase lhe tiraram a vida, Mikael procura conduzir uma investigação paralela que prove a inocência de sua amiga. Mas a jovem não fica parada, e muito mais do que uma chance para defender-se ela quer uma oportunidade para dar o troco. Com a ajuda de Mikael, Lisbeth está muito perto de desmantelar um plano sórdido que durante anos se articulou nos subterrâneos do estado sueco, um complô em cujo centro está o pai dela, um perigoso espião russo que ela já tentou matar. Duas vezes.

Livro: Para mim, é o mais chato da trilogia, pois é o mais longo e o com menos ação.
Não sei se é porque eu li os três livros seguidos, que quando finalmente fui ler o último volume já estava "de saco cheio" e doida p/ saber o final, e enrolava tanto.
Bom, o desfecho da história é o emocionante julgamento da Lisbeth Salander, que para mim foi a melhor parte do livro. O julgamento é bem detalhado, me senti dentro do tribunal acompanhando cada depoimento ao ler essa parte. Pelo final do 2º livro, esse se torna obrigatório para todos saberem o desfecho, logo tem um início e o final bom, mas o meio longo que enche muito linguiça hehehe

Filme: Assim como as outras 2 adaptações, esse filme foi bom também, embora eles tenham pecado em não colocar a Erika Berger como diretora de outra revista (como acontece no livro) e foi quando ela estava lá que estava sendo ameaçada. Isso no filme foi mudado e eles não explicam direito quem a estava ameaçando e porquê. O bom do filme é que todas as quase 700 páginas, é contada em 2horas e 20, logo só é mostrado o essencial do livro, embora eu ache que o julgamento poderia ter sido melhor explorado já que é o ponto alto do livro. O final ficou meio corrido, mas é um filme bom.


Bom, eu recomendo a coleção, pois é bem interessante e é diferente de tudo que vocês já leram. Não fiquem desanimados pela grossura do livro (que mais parece uma bíblia), porque quando o livro é bom, não importa o número de páginas que a gente vai ler com o mesmo afinco. Como umas "pexoinhas felizes" (que amam assassinar o português) diriam: fikdik ;D

Boa semana ;)

Bjss

5 comentários:

  1. Olá!
    Eu adorei td os 3 livros da Trilogia Millenium, e os 2 primeiros filmes (ainda naum vi o 3o ahuhauah estava esperando pra comentar depois d assistir mas ñ sei quando vou ver).
    Vc descreveu tds os personagens mt bem, acho q a unica dificuldade nos livros (pelo menos pra mim) são os sobrenomes complicados de pronunciar, por mais q a gent naum tenha q falar em voz alta os nomes a gnt sempre pensa neles, e ñ saber como eh gera uma certa duvida, tanto q depois d ver os filmes q percebi como se pronunciavam alguns nomes, mas foi ótimo conhecer um pouco da cultura, literatura e cinema da Suécia.
    Confesso q naum achei a produção dos filmes mt diferente de produções como "O código da vinci" e tal, o cinema sueco naum deixou nd a desejar comparado ao Hollywoodiano.
    O último eh mt cheio de detalhes msm,por isso se torna meio chato e nele q se explica mt coisa, mas eu gosto mais do 2o, o 1o tb eh mt bom, mas eh bem diferente dos outros 2! Como ainda naum vi o 3o naum posso comentar sobre ele ahuhauah mas imagino q seja fiel ao livro como os outros!
    Mt bom o post!
    bjs

    ResponderExcluir
  2. A descrição e a sinopse dos personagens eu peguei na wikipedia pq senão eu acabaria escrevendo d+ sobre eles e falando spoilers hahaha xD

    ResponderExcluir
  3. Mas veja só como as coisas andam por aqui: a futura jornalista cultural já está explorando o cinema sueco e sua literatura!
    Uma das coisas mais importantes de uma trilogia, na minha opinião, é o padrão que ela segue de uma para a outra. Pelo que entendi, cada livro conta uma história com o enredo diferente, mas no fundo elas mantém a ligação umas com as outras, certo? E, pelos cartazes do filme, esse estilo "grunge" e a narrativa também se repetem...
    Muito bom conhecer coisas novas e completamente inesperadas. E achei muito empolgante a capa dos livros...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. eu simplemente amo essa trilogia...ontem passei 7 horas seguidas terminando de ler "A Rainha do castelo de ar"...Infelizmente são só tres livros

    ass: Lavynia Lorenção

    ResponderExcluir
  5. Muito bom depois vou criar uma imagem para ajudar a vislumbrar os personagens e te mostro abraços

    ResponderExcluir