http-equiv=’refresh’ content=’0; Boulevard of Ideas: O sentido da vida

domingo, 15 de novembro de 2009

O sentido da vida

Olá,

em toda aula de português na faculdade, meu prof leva vários textos p/ gnt, dependendo do ponto o qual ele vai trabalhar. Semana passada ele levou um texto de Luiz Fernando Emediato (O Estado de S. Paulo), que é um jornalista e escritor premiado, o texto se chama "O Sentido da vida", e o tom filosófico além da genialidade do texto, me chamaram atenção suficiente para hoje estar postando-o.


O Sentido da Vida

Perguntas demais,
respostas de menos. Uma luz
no fim da escuridão?

O sentido da vida é nascer, crescer, envelhecer e morrer, deixando sob a terra
este antigo corpo constituído da solitária e silenciosa matéria de que foram feitas as estrelas e seus filhos, e os filhos de seus filhos, ou não?

Sim, é este o sentido da vida, ou não.

O sentido da vida é descobrir alegre ou amargamente a consciência das coisas, da alegria e da dor, da tristeza e do tédio, e então alegrar-se ou entristecer-se, corada ou pálida personagem de uma peça absurda, uma tragédia, comédia, ópera bufa, ou não?

Sim, o sentido da vida é este – ou não.

Será o sentido da vida amar e odiar seu irmão, em silêncio ou aos gritos, perdoar, ser perdoado, caminhar com firmeza ou vacilante sobre o abismo, cair e erguer-se, ou não?

Sim, é este o sentido da vida, ou não.

Será porventura o sentido da vida caminhar juntos sobre a mesma velha e generosa e solitária terra, dividir angústias e dor, enredar-se no cipoal das palavras, dizer sim, ser entendido não, dizer não, ser entendido sim, ou não?
Sim, o sentido da vida é este. Ou não.

Será o sentido da vida buscar luz nas sombras ou sombras na luz, consumir dias e noites a trilhar o áspero caminho imperfeito, buscar o caminho reto, a verdade, e descobrir então o caminho torto, a estrada estreita e, no fim da estrada, apenas neblina, mistério, horror, escuridão?

Sim, o sentido da vida é bem este, ou não.

Será, meu Deus, o sentido da vida acreditar em Deus ou alguma coisa superior à capacidade de entender, cair de joelhos e em prantos pedir caridade ou outro vago sentimento qualquer, e nada ouvir em resposta, ou sim, ouvir então uma voz silenciosa, inexistente e fria e, então, chorar, dormir, sonhar, tudo em vão?
Sim, o sentido da vida é bem este – ou não.

Será o sentido da vida crer na dourada utopia, descobrir então a insustentável fragilidade dos seres, o poder, a miséria, o horror da humana e frágil condição?
Sim, é bem este, ou não, o sentido da vida. Ou não?

Estará o sentido da vida em sonhar o sonho impossível, alcançar a estrela inatingível, vencer o inimigo imbatível, tocar a realidade intangível, e encontrar nada mais que pesadelo, o nada, a queda, a fantasia, miragens, ou não?
Sim, é bem este o sentido da vida, ou não.

Será o sentido da vida entregar-se apaixonadamente às ideias de grande extensão, consumir-se como o fogo e ver apagar-se a chama, a pedra virar pó, a brasa virar carvão? Será, criaturas, o sentido da vida consumir o sangue das veias, esgotar a serenidade, despentear os cabelos, perseguir a ilusão?
Sim, é bem este o sentido da vida, ou não.

Porque se existe sol também existe a lua, e a noite pode ser tão clara às vezes quanto o mais claro dos dias, ou não; mas se há perguntas demais e respostas de menos sempre haverá a busca, a esperança, a viva luz no fim da escuridão.
Porque é isto – buscar – o sentido da vida. Ou não.

-> Eu confesso que me apaixonei por esse texto. Ele é simples, e usando apenas 2 palavras, o "ou não", ele dá um tom totalmente diferente ao texto. Do mesmo modo que ele afirma perguntando e nega perguntando no final da frase, ele responde afirmando dizendo que "sim, é bem este o sentido da vida", como se tivesse certeza, mas depois ele vê que ainda se encontra na dúvida e incerto e acrescenta o "ou não" novamente, criando a possibilidade de outras respostas que justifiquem o sentido disso tudo.
Ele termina o texto filosofando mais um pouco usando a lógica ("se existe o sol também existe a lua")e trazendo algo comum a todos nós: a eterna busca.

Espero que vocês tenham gostado do texto também. Ou não. hahahaha

Vou finalizar o post com mais 2 vídeos que recebi por email =D

Professor estressado:
video

um gesto vale mais do que mil palavras...

Como calar os alunos:
video

simples e eficaz haahha

Boa semana people ;)

bjokinhas

2 comentários:

  1. Nossa mt bom o texto desse jornalista...e fala sobre um tema q todo mundo as vezes fica pensando e tal neh...."a noite pode ser tão clara às vezes quanto o mais claro dos dias, ou não" eh interessante msm quando ele coloca esse "ou nao" no final ....

    no primeiro video o prof devia tah mt estressado msm pq pow.... ahuahuha
    e o segundo eh uma otima ideia pra acalmar crianças ahuahuaha
    mt bom!!

    bjss

    ResponderExcluir
  2. Olha só. Legal o texto que vc postou, bem profundo (e nada conclusivo, né? hahaha). Qto à analise não poderia fazer melhor...

    Agora o destaque do post foi realmente para o video do professor estressado. Hahahaha ri muito, foi muito maneiro mesmo. O outro tbm é genial, mas é evidentemente armado. Gostei do primeiro pq realmente parece ter acontecido.

    Falar nisso vi um video sensacional de menino acertando a cesta de basquete do outro lado da quadra. Vou procurar e posto.

    Beijos!

    ResponderExcluir