http-equiv=’refresh’ content=’0; Boulevard of Ideas

sábado, 26 de setembro de 2015

Novo endereço!

Olá, galera!

Fiquei muuuuitos meses sem atualizar, mas resolvi voltar num novo endereço, de cara nova, como se fosse começando do zero, então visitem o: revoltadinha.com 

Aguardo vocês lá!

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

A hora do Adeus



A morte é a única certeza da vida. Mas quando ela vem de supetão, a tristeza inerente ao ocorrido se soma ao choque e o baque é ainda maior. É inexplicável. Nem todas as lágrimas do mundo são suficientes para aliviar o peso que se instaura em nosso coração. Nenhuma palavra conforta. A saudade sufoca.

Você tenta lembrar nos mínimos detalhes aquele último momento, agarrando-se às últimas lembranças para não deixar nada passar. Você fica com raiva, tenta achar um culpado, e se frusta com a banal explicação de que simplesmente a vida é assim.

Seu sofrimento se reflete nos olhos dos que sofreram a mesma perda e você se pergunta se sua aparência também é tão desoladora.

Você erroneamente se engana achando que a idade e as experiências vão te deixando mais calejado, mas a verdade é que ninguém nunca está verdadeiramente preparado para lidar com a presença constante da ausência.

O tempo se torna um paradoxo. Ao mesmo tempo que você quer que ele passe mais rápido para amenizar a dor, você teme que muitas memórias também fiquem pelo caminho.

Mais do que a palavra morte, a que dói mais acaba sendo "nunca". O definitivo me apavora. E a saudade também.

Então, como desabafo, fica aqui o texto que fiz há quase dois anos.

Adeus

Por mais que seja página virada, é necessário que algumas coisas sejam registradas, pois assim se tornam fatos palpáveis ao invés de meros frutos da imaginação.

É necessário para o tempo. É necessário para a incerta ação deste sobre a minha memória para que eu não te esqueça.

Para que quando sua imagem ficar nebulosa e começar a desaparecer como uma nuvem que se esvai, mesmo que meu cérebro falhe, você ainda exista nessas páginas. Sobreviva em mim e à mim.

O registro também se faz necessário para que quando a dor da lembrança for insuportável, eu possa rasgar a página literalmente num gesto simbólico, tentando apagar do papel o que de certa forma já se tatuou em mim.

Mas sobretudo, o que é mais do que necessário é não te ver sofrer. Mesmo que eu tenha que te deixar ir. Porque é melhor morrer aos poucos todos os dias, do que se contentar com overdoses homeopáticas de alegria. 

sábado, 20 de dezembro de 2014

Vício



- Só mais um e juro que vai ser o último, Catarina.

- Você sempre diz isso e não se consegue se controlar, Julia.

- Mas é novidade, falaram que é ótimo!

- É sempre assim e quando acaba, você fica toda deprimida.

- Você é viciada, e como todo vício, não faz bem a você.

- E qual é o problema? Não tô fazendo mal a ninguém, pelo menos me deixa feliz e eu relaxo por um instante.

- Se o problema é esse, come chocolate.

- Não é a mesma coisa...

- O primeiro passo é admitir.

- Ok, eu admito que sou viciada! Agora me dá isso!

- Não, vou jogar fora!

- NÃÃÃÃÃO! EU PAGUEI POR ISSO! ME DÁ AQUIIII!

- Você tá agindo como uma louca!

- Já é o terceiro e sábado nem chegou ao fim ainda! Você está ficando enclausurada, afastando as pessoas...

- Ótimo então siga o exemplo e cai fora, senão for se juntar a mim...

- Eu consegui largar, não tá sendo fácil...

- Você sabe que você quer...

- Não. Eu sou forte.

Catarina olha Julia com um olhar duvidoso. Julia ri.

- Ahhh que se dane, vamos logo com isso.


Catarina finalmente dá o play e começam a assistir ao mais novo filme de Katherine Heigl. 

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Aerofobia



Todo aerofóbico já cansou de ouvir que "avião é o meio de transporte mais seguro do mundo". Dá licença? Tem gente que tem hipopotomonstrosesquipedaliofobia, medo de palavra grande (a pessoa surta só de ter que falar o nome da fobia dela, né?); bromidrofobia, medo de nhaca (imagina essa pessoa num transporte público, no verão, após o expediente, se até a gente "surta"...); caetofobia, medo de pelos e cabelos (nem precisa de filme de terror p/ assustar essa pessoa, basta mostrar o Primo It da Família Adams ou a playboy da Cláudia Ohana p/ pregar uma peça no sujeito); entre tantas outras estranhas, que a aerofobia pelo menos tem uma lógica. 

Por mais remotas que sejam as chances de morrer num desastre aéreo (uma em um milhão), elas existem e isso já é motivo suficiente p/ um aerofóbico tremer na base a cada "tripulação, preparar p/ decolar". Você nunca sabe se será parte desta estatística.

Afinal, você está dentro de uma caixa, há não sei quantos mil pés de altura, dependendo da habilidade de dois estranhos.

E a primeira coisa que falam antes de decolar é sobre os procedimentos de segurança: em caso de emergência máscaras de oxigênio vão cair (p/ te manter lúcido enquanto você morre? No, thanks) e bancos que ejetam e flutuam! DO QUE VAI ME ADIANTAR O BANCO FLUTUAR SE AQUELA P*** CAIR? CADÊ PARAQUEDAS?' (confessa, é isso que você também pensa)

Ocasionalmente, o tédio supera o medo. São longas horas em poltronas que na vertical ou "inclinadas" não se nota diferença, respirando aquele ar seco e o grande evento é quando vem a comida.


Para ter algo diferente para fazer, demoro mais que o habitual analisando aquela refeição triste e econômica, enquanto mordo um pão duro e bebo água para ajudar a engolir. Mas é um barulho diferente que ouço ou o aviso para se sentar e afivelar os cintos por causa de uma área turbulenta que começo a tremer mais que o avião. E este ciclo interminável se repete até o pouso. 


Constato que é verdade: não há ateu que não se converta diante de uma turbulência. Eu rezo p/ Deus, Zeus, orixás, tento acreditar que há uma força superior olhando por mim, porque vai que cola, né? Quando não há nada a perder, não custa tentar... 

Daí eu me lembro das falas de um sábio, e encaro como um mantra: "Face your fear. You have a fear of heights? You go to the top of the building. You're afraid of bugs? Get a bug, right? In this case, you have a fear of commitment. So I say you go in there and be the most committed guy there ever was." - Tribbiani, Joey em um diálogo com Chandler, em Friends. 

E se isso não resolver, pense que há sempre um jeito pior de morrer, como aquele menino que morreu após um bode, que ia ser sacrificado, pular de um prédio e cair na sua cabeça...

(Duvida? Veja aqui.)






sexta-feira, 29 de agosto de 2014

O mundo dos deselegantes

Olá,

mês de agosto praticamente acabando e eu nem havia dado as caras aqui ainda. Na verdade, eu nem sei bem sobre o que vou escrever, mas como isso se tornou a minha terapia (já que não posso sair mandando algumas pessoas p/ aquele lugar onde não bate sol), vamos ao "desabafo".



Ter um site de sucesso (não, certamente não me refiro a este blog) é incrível pelo reconhecimento e credibilidade adquirido junto ao público, porém, nem tudo são flores. Há sempre os grossos, intolerantes e que, principalmente, cobram algo que não é da sua competência.

Entenda: jornalista não RESOLVE nada. A gente mostra a denúncia, cobra a resposta de uma autoridade e tenta dar um retorno àqueles que entram em contato. E nem tudo que você julga relevante, de fato, o é. Logo, temos que aprender a filtrar para não sair publicando qualquer bobagem.

Acredite: nós temos uma vida. Nós não ficamos 24h à disposição e por mais que fiquemos ligados, há algumas coisas que não vemos na hora, pois com um grande volume, é impraticável resolver e ver tudo na hora. Isso não é incompetência, nós só não somos robôs.

Coincidentemente, há pouco li uma coluna do Diogo Mainardi e fiquei impressionada com o ódio gratuito nos comentários. (Se quiser, veja aqui) Caramba, p/ que perder tempo só p/ xingar o cara só porque você discorda dele? Como diria Sandra Annenberg: "Que deselegante!"

A internet se tornou um antro de covardes, onde a "coragem" se tornou um pretexto p/ destilar ódio e xingamentos, já que são protegidos por uma tela e um "anonimato".

Mas, meu caro, difamação é a forma mais pobre de expressão.

Parafraseando Abraham Lincoln: "É melhor ficar na sua e deixar que as pessoas pensem que você é um idiota do quer escrever e acabar com a dúvida."




terça-feira, 8 de julho de 2014

O Minerazo e a vergonha brasileira


Mais doloroso do que um episódio de Game of Thrones em que o Brasil se equivale aos Starks, após o choque e umas lágrimas derramadas, resolvi meter o bedelho e falar escrever também.

Acabei me lembrando de uma aula de Teoria da Comunicação da faculdade sobre identidade cultural, Stuart Hall e tal, em que o professor me perguntou: "Wilbert, quando você se sente brasileira?". Eu ri e falei que nunca, já que detesto praia, Carnaval, futebol e todas as coisas pelas quais somos conhecidos lá fora.

Porém, esse sentimento muda durante a Copa. Provavelmente porque é a única ocasião em que vejo o país verdadeiramente unido. O verde e amarelo ganham as ruas, os brasileiros se emocionam ao cantar o hino a plenos pulmões e vibram a cada gol. Enfim, de quatro em quatro anos nos tornamos ufanistas.

Mas por que só um esporte que nos une?

Talvez seja porque, como todo o resto decepciona, até então, o "melhor futebol do mundo" era a única alegria em comum.

Doeu perder de 7 x 1 em casa, mas o que foi mais triste foi ver o conformismo, a apatia, a falta de garra, de foco e de equilíbrio da seleção. O brasileiro "que não desiste nunca", jogou a toalha muito antes de acabar o primeiro tempo. Como um reflexo da postura do próprio povo brasileiro diante de tantas coisas.

Mas vergonha? Quem dera nosso maior problema fosse apenas a incapacidade de 11 jogadores em enfiar a bola no fundo da rede...

Vergonha eu tive quando vi na TV uns revoltadinhos tacando fogo em ônibus no final do jogo.

Vergonha eu tenho de ocuparmos a 38ª posição entre 40 países num ranking educacional feito pela Economist. E a mesma posição no ranking de 44 países do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) divulgada pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Vergonha eu tenho de estarmos entre os piores do ranking de saneamento do mundo.

Vergonha eu tenho de ver nossos aeroportos e companhias aéreas entre as piores do mundo.

Vergonha eu tenho de ver a incapacidade de muitos em separar política de futebol e torcer contra o seu país porque tá "revoltadinho".

Mas dentre tantas vergonhas, só me resta torcer para que o país não me envergonhe em outubro.



domingo, 29 de junho de 2014

Gatos da Copa 2014

Eu sei que ando relapsa com esse blog, mas é que quando escrevemos diariamente diversos textos, bate uma preguiça e falta de ideia para alimentar mais um site/blog/whatever. Contudo, entretanto, todavia, esse espaço continua sendo o lugar onde posso falar qualquer merda escrever sobre qualquer assunto, por mais bobo que seja simplesmente porque eu quero.

Enfim, vamos falar então de: COPA DO MUNDO! Claro, até porque não poderia deixar de salientar o que tem me chamado atenção neste mundial de futebol, que está acontecendo nesse meu Brasil varonil.

O que teve por enquanto?

- Dilminha, que disse que não vai se abalar pelos xingamentos, ficou com o c* na mão e não fez nem um discurso na abertura horrorosa da Copa. (Não se abala, é? Tô vendo...) Mesmo assim, foi vaiada.

- Já nas partidas, quando Marcelo marcou o primeiro gol da Copa, um gol contra, já senti que essa Copa seria inusitada. E não deu outra, né? A atual campeã do mundo saiu com o rabo entre as pernas (chupa, hermanos!), a COSTA RICA ficou em primeiro lugar no "grupo da morte" (que era formado por Itália, Inglaterra e Uruguai), sendo que Itália e Inglaterra voltaram p/ casa ainda na 1ª fase e o Uruguai, nas oitavas; e a Costa ainda se classificou para as quartas de final, pela primeira vez na história!

- Sobre a eliminação da Inglaterra, o célebre Lula veio com uma de suas pérolas de sabedoria e soltou essa:  "É a primeira vez que uma equipe de futebol perde por excesso de qualidade dos nossos estádios. A Inglaterra não estava acostumada a jogar em um campo da qualidade dos que temos aqui".


- Na terra do beijinho no ombro, o grande destaque foi a mordida de Suárez (do Uruguai) no ombro de Chiellini (Itália). No ombro, amigo? Se fosse na bunda do Hulk, a gente até entendia...

- Teve Brasil se classificando para as quartas por sorte e competência do AMADO ♥ Júlio César ♥ (nos pênaltis) em cima do Chile. Se os próximos jogos forem nesse nível, o Ministério da Saúde vai ter que colocar uma advertência antes e durante as partidas. Haja coração, amigos. HAJA CORAÇÃO!

Enfim, vocês estão acompanhando melhor até do que eu. Então vamos logo ao que levou vocês a clicarem neste link. Vamos aos colírios da Copa:

Vedran Ćorluka - Croácia

Já o Niko Kranjčar infelizmente não veio, mas ele merece muito estar nessa lista. Muito mesmo.


{Despudorados, alguns jogadores croatas ficaram peladinhos no hotel e foram flagrados por um jornal português. Veja aqui. ISSO A GLOBO NÃO MOSTRA!}

Asmir Begovic - goleiro da Bósnia


Xabi Alonso 


Carlos Bocanegra - EUA


Olivier Giroud - França


Robin Van Persie - Holanda


Ciro Immobile - Itália (só p/ preencher a cota de italianos, porque tava fraco esse ano)


Rahman Ahmadi - goleiro do Irã


Mauricio benzadeus Pinilla - Chile


Mas de todas as seleções, a que bateu mesmo um bolão no quesito beleza, foi a Grécia!

♥ Georgios Samaras ♥


Andreas Samaris


Orestis Karnezis - o goleiro magia dessa Copa


De nada!

Até a próxima ;*